Japão: taxas mais altas de juros podem potencializar resultados de bancos japoneses

Os desinteressantes bancos japoneses transformaram-se em alguns dos melhores investimentos mundiais em 2023, e uma mudança de política monetária poderá fazer com que eles continuem acumulando recursos.

No ano passado, as ações dos três grandes bancos do país subiram em média 73%, impulsionado principalmente pela expectativa de que o Banco do Japão (BoJ) finalmente abandone a sua política de taxas de juro ultrabaixas. Desde dezembro, o BoJ fez alguns ajustes importantes na sua política de controle da curva de rendimentos - permitindo efetivamente que os rendimentos dos títulos de longo prazo subissem - e o fim da política de taxas negativas implementada em 2016 pode estar no horizonte. Isto se a inflação atingir de forma sustentável a meta de 2% do BOJ, segundo disse o presidente do BoJ, Kazuo Ueda.

Taxas de juro mais elevadas beneficiariam os bancos de diversas maneiras.

Em primeiro lugar, poderiam trazer aos bancos retornos mais elevados sobre os seus depósitos mantidos no Banco do Japão, que em sua maioria não geram juros ou têm taxa real negativa atualmente. São somas consideráveis. Por exemplo, em março, o gigante bancário Sumitomo Mitsui Financial tinha o equivalente a 21% dos seus ativos no BoJ - 57,5 trilhões de ienes, algo equivalente a US$ 390 bilhões.

Os bancos também poderiam investir esses depósitos em títulos governamentais e reinvestir títulos detidos em rendimentos mais elevados. Os rendimentos dos títulos do governo japonês de 10 anos já subiram para 0,75%, ante 0,23% há um ano.

Taxas mais elevadas também podem permitir ampliação dos spreads de empréstimos dos bancos, especialmente nos de prazo mais longo e naqueles com taxas flutuantes. As taxas dos depósito provavelmente ficarão mais rígidas do que as taxas de empréstimo e não subirão tanto - pelo menos no início.

Os "três grandes" bancos, em particular, têm bases de depósitos grandes e estáveis, o que significa muito espaço para expansão de margens. O Goldman Sachs estima que o lucro líquido dos três megabancos poderá aumentar entre 4% e 8% se os rendimentos de longo prazo aumentarem 0,3 ponto porcentual. A expansão dos ganhos poderia ser maior se as taxas de curto prazo também subissem e os bancos transferissem os seus ativos para títulos com rendimento mais elevado.

Os três grandes bancos do Japão são negociados a uma média de 0,85 vez o valor contábil tangível - bem acima da média de 0,5 dos últimos cinco anos e mais em linha com o patamar em que se situavam antes da era das taxas de juro negativas, de acordo com a S&P Global Market Intelligence. Ainda é um nível distante do valor tangível de 1,9 vez do JPMorgan, e há boas razões para que os bancos japoneses continuem a negociar com desconto em relação aos seus pares globais. As perspectivas de crescimento do Japão, no geral, não se assemelham ao ritmo esperado para os EUA, os balanços inchados continuam sendo um problema e as reformas na governança corporativa do Japão estão em andamento.

Mas a mudança no regime de taxas de juro do Japão, juntamente com o esforço de Tóquio para fazer com que as empresas melhorem os seus retornos sobre o capital próprio, podem beneficiar os bancos japoneses por algum tempo. Os retornos sobre as ações dos bancos têm sido pequenos no Japão há muito tempo - mas com uma pequena ajuda do Banco do Japão, isso está a começar a mudar significativamente.