Dirigente do Fed não descarta ajuste na política monetária, se não houver progresso nos preços

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Chicago, Austan Goolsbee, afirmou nesta quinta-feira, 28, que está "confortável" em se concentrar mais em por quanto tempo os juros seguirão no nível atual, em vez de focar no nível exato deles. Ao mesmo tempo, ele não descartou que, caso o quadro requeira e não ocorra progresso nos preços, possa haver um ajuste na política.

Goolsbee, que tem direito a voto nas decisões de política monetária neste ano, tratou do tema durante sessão de perguntas e respostas, após discurso em Washington, no Peterson Institute for International Economics.

O dirigente disse que ainda não decidiu sobre o que fará na próxima decisão de política monetária, em 1º de novembro.

O presidente do Fed de Chicago defendeu a importância de se atingir a meta combinada, em 2%.

Depois de cumprida essa missão, porém, argumentou que seria necessário debater o tema dentro do Fed. Goolsbee considerou que as metas de inflação "dão um falso senso de precisão", em uma "variável que tem ruídos".

Ele também foi questionado sobre a greve em andamento em montadoras nos EUA. Segundo ele, o Fed monitora o tema e a questão é saber se uma paralisação estendida poderia afetar o Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano.

Sobre o avanço crescente dos juros dos Treasuries, ele disse que "ainda tenta processar" o motivo pelo qual os juros de mais longo prazo estão avançando.