Expectativas de inflação ainda não mostram retorno à meta até 2025, diz diretor do BC

O diretor de Política Econômica do Banco Central, Diogo Guillen, afirmou nesta sexta-feira, 29, que os modelos de expectativas de inflação da autoridade monetária ainda não mostram que o Brasil retornará à meta até 2025. Ele participa por videoconferência do HSBC Global Emerging Markets Forum, organizado pelo banco HSBC.

Guillen observou que o Brasil está posicionado no meio de uma lista de países no que diz respeito ao desvio da meta de inflação em 2023, cenário que se repete nos outros anos.

A lista apresentada por Guillen traz países como Ucrânia, Colômbia, Rússia, Índia, México e Chile.

Cenário global

O diretor do BC observou que na maioria das regiões, os núcleos de inflação estão acima da meta e esse movimento implica riscos. "É importante ter comprometimento para trazer a inflação para dentro da meta neste processo", destacou.

Guillen comentou que os índices de commodities estão subindo, principalmente por conta dos preços de energia. Ele ainda observou a elevação de preços das commodities agrícolas.

O diretor também apresentou dados que apontam que o problema de cadeias globais está normalizado, e esse movimento colabora com os preços de atacado.

Deixe seu comentário

Só para assinantes