Hernández de Cos, do BCE, afirma ser 'prematuro' discutir cortes dos juros neste momento -

Dirigente do Banco Central Europeu (BCE), Pablo Hernández de Cos afirmou nesta quarta-feira, 11, que é "muito prematuro" discutir cortes dos juros neste momento, reiterando que o banco central deve continuar cauteloso. Em painel na Reunião Anual do Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Mundial, o dirigente alertou que ainda existem riscos de que choques econômicos impactem a atual trajetória "equilibrada" da inflação.

Para ele, os juros estão em níveis restritivos na zona do euro e devem ser suficientes para alcançar a meta de estabilidade de preços em 2%. Porém, o dirigente lembra que o "nível atual de juros é condicional e dependerá de dados" "Não podemos excluir possibilidade de contração do Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre, em razão de riscos geopolíticos, de uma transmissão monetária mais forte ou de uma desaceleração na economia de parceiros comerciais, como a China", pontuou Hernández de Cos, projetando que uma recuperação do crescimento da produtividade e do emprego só deve ocorrer em 2024.

O dirigente avalia que a transmissão monetária está funcionando e apertando os padrões de crédito na zona do euro. Ele comentou também que defende uma redução cautelosa do balanço patrimonial para evitar uma fragmentação no bloco ou outros efeitos indesejados de uma intensificação repentina no processo de quantitative tightening (QT).

Questionado sobre possíveis impactos no sistema financeiro, Hernández de Cos afirmou que espera maior pressão sobre os bancos nesta "fase final do aperto monetário", devido a redução nos lucros diante do cenário de juros elevados e desaceleração econômica. Ele ainda disse que não vê "nenhum desenvolvimento preocupante no mercado de títulos" e analisa que a recente escalada de bônus europeus é "reflexo dos Estados Unidos, não questões internas".

Deixe seu comentário

Só para assinantes