Maioria das Bolsas da Europa fecha em queda; Londres sobe com CPI e expectativa para BoE

As bolsas da Europa tiveram nesta quarta-feira, 19, resultados distintos dos dois lados do Canal da Mancha, com leve avanço em Londres, observando dados de inflação do Reino Unido e a política monetária local, e recuo na zona do euro, em um quadro desafiante de tentativa de consolidação fiscal na região. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em baixa de 0,18%, a 514,06 pontos.

A taxa anual da inflação ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) do Reino Unido desacelerou para 2% em maio, como era previsto, voltando à meta oficial do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) pela primeira vez desde 2021.

Por outro lado, a inflação de serviços, que é a que realmente importa para o BC inglês, superou as expectativas pelo segundo mês consecutivo, segundo o ING.

Além disso, o núcleo da inflação britânica segue elevado. Em meio a sinais de inflação persistente, analistas preveem que o BoE manterá seu juro na decisão de política monetária desta quinta-feira, 20, adiando uma redução inicial da taxa para agosto.

Em Londres, o FTSE 100 subiu 0,17%, a 8.205,11 pontos.

Na zona do euro, o Banco Central Europeu (BCE) pode flexibilizar ainda mais a política monetária, desde que a inflação continue a se moderar, de acordo com dirigente do BCE Mario Centeno. "O ciclo das taxas de juros continuará a evoluir", disse o funcionário português a legisladores nesta quarta-feira, em Lisboa. "As taxas cairão se a inflação nos ajudar, o que está acontecendo."

Nesta quarta, a Comissão Europeia recomendou a sete países da zona do euro que comecem o "procedimento de déficit excessivo", após criticar o acúmulo de dívidas públicas.

As críticas atingem particularmente a França, cujo déficit anual ficou em 5,5% no ano passado. A repreensão contundente ocorre no auge de uma campanha eleitoral em que o presidente Emmanuel Macron está enfrentando um forte desafio da extrema direita e da esquerda.

Segundo a Eurasia, o cenário mais provável é de um parlamento misto, sem uma força majoritária, ou então um parlamento composto por maioria de extrema-direita. Em ambos os casos, não haverá unidade - ou interesse - para aprovar um novo orçamento, este mais contido, e que limita os gastos públicos. "Nenhum resultado permite uma consolidação orçamental, mesmo com planos mais moderados", pontua.

Em Paris, o CAC 40 sofreu a principal queda, caindo 0,77%, a 7.570,20 pontos. Em Milão, o FTSE MIB recuou 0,29%, a 33.220,31 pontos. Em Frankfurt, o DAX teve baixa de 0,36%, a 18.067,56 pontos. Em Madri, o Ibex35 baixou 0,21%, a 11.044,90 pontos. Em Lisboa, o PSI20 caiu 0,44%, a 6.541,80 pontos.

Deixe seu comentário

Só para assinantes