Bolsas

Câmbio

Por que os títulos de inflação são os mais procurados do Tesouro Direto?

SÃO PAULO - De acordo com o boletim mensal do Tesouro Nacional, em abril, as vendas do Tesouro Direto atingiram R$ 1.388,3 milhões. Já os resgates totalizaram R$ 504,2 milhões, sendo R$ 503,5 milhões relativos às recompras ocorridas no mês e R$ 0,7 milhão relativo aos vencimentos ocorridos em abril.

Os títulos mais demandados pelos investidores foram os indexados ao IPCA (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais), cuja participação nas vendas atingiu 61,8%. Mas o que explica essa alta procura por esses títulos?

A principal explicação é o rendimento deles. O Tesouro IPCA+ com vencimento em 2035 acumula alta de 32,04% no ano (considerando o retorno bruto, sem descontar o Imposto de Renda).

O Tesouro Prefixado com Juros Semestrais com vencimento em 2025 paga 26,04%, enquanto o Tesouro Prefixado com Juros Semestrais que vence em 2023 paga 23,49%. Todos eles com um rendimento muito acima do CDI, que hoje está em 14,13% ao ano. 

O tamanho da oscilação do preço do título vai depender do seu prazo de vencimento e das taxas de juros futuras. Quanto mais longo for o título, maior será a sua volatilidade. No começo deste ano, havia muita incerteza política e a inflação ainda não dava sinais de arrefecimento. Com isso, o prêmio (remuneração) dos títulos de inflação e dos prefixados estava bem mais elevada

Portanto, se o investidor permanecer com o título até o vencimento, o retorno será de acordo com as condições do mercado. Mas caso deseje vender antes, poderá ter um rendimento bem acima do esperado ou até perder parte do capital investido.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos