Bolsas

Câmbio

Fim dos swaps, redução da meta de inflação e independência do BC: o que Ilan disse ao FT

SÃO PAULO - Em entrevista ao jornal britânico Financial Times, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, sinalizou o desejo  de que a meta de inflação brasileira seja reduzida após 2018, quando é esperado que o país já tenha atingido o objetivo central hoje estabelecido, de 4,5%. À publicação, o novo chefe da autoridade monetária brasileira afirmou que a trajetória da inflação é descendente e convergir para a tal marca está "completamente ao nosso alcance". Goldfajn espera  chegar próximo ao centro da meta no ano que vem, quando suas expectativas giram em torno de 4,7%.

O presidente do BC da gestão do presidente interino Michel Temer aproveitou a ocasião para repetir  também disse ao jornal que um de seus objetivo no cargo é reduzir o estoque de swaps cambiais do atual patamar -- próximo de US$ 60 bilhões -- para zero e contar mais com as reservas internacionais para oferecer confiança ao mercado de câmbio.

Na entrevista, o presidente do BC também defendeu a alteração de algumas condições do mercado de câmbio. Goldfajn citou que um de seus objetivos à frente do BC é reduzir o estoque de swaps cambiais que atualmente estão em torno de US$ 60 bilhões para zero. Nessa estratégia, o economista defende que o Brasil conte mais com as reservas internacionais de US$ 370 bilhões para oferecer confiança aos mercados.

Goldfajn disse que é "saudável" reduzir o estoque de swaps cambiais e argumentou que o uso desse instrumento gera a percepção de maior vulnerabilidade à depreciação cambial e também a sensação de que o Banco Central intervém muito no mercado. "Eu acho que é saudável que você mantenha apenas as reservas no balanço", disse ao FT.

O presidente do BC também afirmou ao FT que o governo do presidente interino Michel Temer prepara uma proposta de emenda constitucional para dar "autonomia operacional" à instituição, que pode ir ao Congresso em 2017. Na avaliação de Goldfajn o projeto deve melhorar a credibilidade da autoridade monetária. Ele disse que, ainda que a emenda não conceda independência completa ao BC, formalizará a autonomia "de fato" existente do BC para usar política monetária e outros instrumentos adequados para atingir a meta.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos