Bolsas

Câmbio

2016: o ano em que o Brasil está vivendo perigosamente, segundo o Financial Times

SÃO PAULO - Em newsletter semanal sobre América Latina, o correspondente do jornal no Brasil, Joe Leahy, destacou que 2016 é o "ano de se viver perigosamente" no País. 

O FT destaca que, nos meses que antecederam o impeachment da agora ex-presidente do Brasil Dilma Rousseff, parecia que a esquerda tinha deixado o campo de batalha.

"Houve alguns protestos por parte dos sindicatos que compõem a base de apoio do PT, mas nada muito espirituoso. No entanto, após a sua saída na semana passada, o ritmo dos protestos de repente se acelerou", afirma Leahy. Os "manifestantes mascarados", ou "black blocks", reapareceram e entraram em confronto com a Polícia, remetendo ao início das manifestações em 2013, "que marcou o início do fim para Dilma", afirma ele. 

Por outro lado, diz o FT, o substituto Michel Temer vem tentando minimizar a controversa votação do impeachment, que resultou no fatiamento da votação e levou à cassação de Dilma, mas manteve os direitos políticos da petista.

"A esquerda aponta que a decisão dividida mostra falta de convicção do Senado, o que provaria que o impeachment foi uma farsa montada por políticos corruptos para conquistar o poder", ressalta Leahy. Ele aponta, por outro lado, que Temer e seus aliados indicam que a votação fatiada foi um detalhe peculiar, que não mudaria o resultado. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos