PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Energia e Metais Preciosos - Resumo e calendário semanal

28/07/2019 08h11

Por Barani Krishnan

Investing.com – Foi mais uma semana de preocupações geopolíticas versus demanda que pareciam muito familiares com petróleo, apenas que o resultado foi preços mais altos desta vez em comparação ao colapso da semana anterior.

O recém-nomeado primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, tornou-se o mais recente membro do elenco da saga de navios-reféns do Reino Unido e do Irã, passando a semana sem alterar uma palavra do roteiro. Igualmente interessante foi a oferta do secretário de Estado Mike Pompeo de ser o principal negociador no conflito nuclear com Teerã, sem que o outro lado veja a necessidade de responder.

No final, as tensões no Oriente Médio forneceram um apoio muito melhor aos preços do petróleo do que nas semanas passadas, com o mercado estabelecendo alta todas as sessões, exceto as de quarta-feira. A única sessão negativa que quase desfez todos os ganhos da semana veio - estranhamente - com base num fluxo de petróleo bruto de 11 milhões de barris. A segunda maior retirada para este verão teve seu valor diminuído por comentários de que ele foi desviado dos efeitos do furacão Barry em vez da demanda real por petróleo.

Tudo isso significa que o mercado pode permanecer volátil a curto prazo, a menos que um catalisador apropriado apareça para o comércio direcional.

O que nos leva à agenda da próxima semana e o que poderia ser o maior evento individual deste ano, não apenas para o petróleo, mas também para o ouro e a maioria das outras commodities: o primeiro corte na taxa de juros nos Estados Unidos em uma década. Até sexta-feira, ainda havia sinais de que um corte na taxa era provável, já que o PIB melhor do que o esperado para o segundo trimestre levantou dúvidas sobre o tão esperado afrouxamento do Federal Reserve aguardado para 31 de julho.

Além do Fed, os bancos centrais do Japão e da Inglaterra também encaram decisões sobre taxas de juros na próxima semana. Além disso, os dados do relatório de empregos dos EUA para julho juntamente com os relatórios PMI da indústria da China, EUA e da zona do euro, entre outros, compensam uma semana cheia de dados que mais uma vez colocam as preocupações sobre a economia global versus a resposta oficial.

Resumo de energia

Quando uma queda de petróleo bruto de 11 milhões de barris não pode ajudar os preços do petróleo a sair e sustentar uma poderosa recuperação, deve haver algo trabalhando seriamente contra os fundamentos do mercado.

E esse "algo" foi o furacão Barry, uma tempestade que os touros do petróleo agora gostariam de não enfrentar.

Desligando preventivamente mais da metade da capacidade de produção de petróleo na costa do Golfo do México para injetar alguns prêmios no petróleo durante a semana encerrada em 12 de julho, o Barry se tornou um não-evento quase tão logo atingiu a costa em Louisiana em 13 de julho, evitando os principais pontos de produção da região.

E os ursos do petróleo estão determinados que qualquer impacto positivo remanescente que o furacão tem sobre os saldos de petróleo bruto dos EUA posssam ser vistos com os mesmos olhos - isto é, a falta de produção antes da chegada da tempestade. Portanto, as grandes reduções de estoque das últimas duas semanas foram descartadas como números exagerados pela interrupção do fluxo regular de petróleo do furacão para o mercado, em vez de uma medida da demanda implícita. O rali inicial do petróleo bruto que acompanhou as reduções, desapareceu!

Isso fechou a semana do petróleo bruto West Texas Intermediate com apenas 0,5% e o Brent com 1% - após perdas de 7,5% e 6%, respectivamente, na semana anterior - ressalta a dificuldade do petróleo em capturar e sustentar uma oferta, apesar das ameaças reais aos navios petroleiros que operam no Estreito de Ormuz, a via marítima mais movimentada e estreita do mundo para petróleo.

Na próxima semana, a ênfase dos traders de petróleo bruto na geopolítica e outros riscos pode ser ainda menor, uma vez que a atenção estará principalmente na reunião de política monetária do Fed em 30 e 31 de julho, no relatório de empregos dos EUA para julho e em outros dados macroeconômicos que poderiam fazer - ou quebrar - as fortunas do petróleo.

Calendário de energia da semana que vem

Segunda-feira, 29 de julho

Estoques de petróleo bruto da Genscape Cushing (dados privados)

Terça-feira, 30 de julho

O Instituto Americano de Petróleo deverá publicar seu relatório semanal sobre os estoques de petróleo.

Abertura da reunião de política mensal do Fed

Quarta-feira, 31 de julho

Relatório semanal do EIA sobre os estoques de petróleo.

Decisão de Taxa de Juros do Fed, Declaração do FOMC e Coletiva de Imprensa

Quinta-feira, 1 de agosto

Relatório semanal de gás natural da EIA

Sexta-feira, 2 de agosto

Dados semanais da Baker Hughes sobre a contagem de sondas de petróleo nos EUA.

Resumo de Metais Preciosos

Até a sexta-feira, os investidores do ouro estavam apostando que tinham pouco a perder em suas apostas para um corte na taxa do Fed, na medida em que um PIB Q2 melhor que o esperado não dissuadiu aqueles que construíram posições longas no metal amarelo em antecipação de à primeira flexibilização monetária dos EUA em uma década.

O ouro Spot, refletindo os negócios em lingotes, encerrou a semana com uma transação final de US$ 1.418,52 na sexta-feira, segundo dados do Investing.com, que se ajustaram a US$ 4,26, ou 0,3%, no dia.

Os Contratos futuros de ouro para entrega em agosto, negociados na divisão Comex da New York Mercantile Exchange, se estabeleceram em US$ 4,60, ou 0,3%, a US$ 1.419,30.

Durante a semana, o ouro à vista caiu 0,4%, enquanto o Comex futuro caiu 0,5%.

Essas perdas vieram depois que o ouro sofreu a maior queda de um dia em três semanas na quinta-feira, quando o Banco Central Europeu decidiu manter as taxas em vez de adotar um corte, como alguns esperavam.

Então, o Departamento de Comércio americano informou nesta sexta-feira que o crescimento do produto interno bruto cresceu a uma taxa anualizada de 2,1% no segundo trimestre, acima da projeção de 1,8%.

Até a divulgação dos dados do PIB, os mercados tinham completa esperança na expectativa de que o Fed cortasse as taxas de juros em 25 pontos-base em 31 de julho, embora a especulação tenha flutuado sobre um corte mais agressivo de 50 pb. Após a divulgação dos dados do PIB, essas chances caíram para 19,4%, comparadas com 23,5% anteriormente.

Alguns analistas dizem que mais importante do que o que acontece na próxima quarta-feira é o que o mercado espera do Fed na ação seguinte em setembro e depois. É aqui que a verdadeira decepção pode estar para os investidores do ouro a longo prazo, já que o Fed pode não cumprir os cortes nas taxas de juros esperados nos próximos meses.

"A inflação não é tão fraca quanto o mercado espera", disse o principal estrategista de investimentos da Blackstone, Joseph Zidle, em entrevista à CNBC no início desta semana.

"Muitos dos cortes que o mercado exige do Fed foram baseados nesta expectativa de inflação realmente fraca", disse Zidle. "O crescimento econômico está diminuindo, mas acho que vamos evitar uma recessão por um longo tempo".

Calendário de metais preciosos da semana que vem

Terça-feira, 30 de julho

Decisão de taxa do Banco do Japão do Japão

IPC preliminar da Alemanha

Índice de Preços do PCE Básico nos EUA

Gastos Pessoais EUA

Confiança do Consumidor do CB

Vendas pendentes de imóveis

Quarta-feira, 31 de julho

PMI da China de manufaturados e não manufaturados

Inflação preliminar instantânea da Zona Euro

Estimativa instantânea do IPC da zona euro

Folhas de pagamento não agrícolas da ADP

PMI de Chicago

Decisão do Federal Reserve sobre a taxa de juros

Quinta-feira, 1 de agosto

PMI Caixin da China de manufaturados

Decisão de taxa do Banco da Inglaterra

Pedidos iniciais de seguro-desemprego

PMI não industrial do ISM

Sexta-feira, 2 de agosto

Balança Comercial nos EUA

Folhas de pagamento não agrícola dos EUA