IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado nesta segunda-feira

29/07/2019 09h03

Confira as cinco principais notícias desta segunda-feira, 29 de julho, sobre os mercados financeiros:

1. Conversas entre EUA e China devem recomeçar em meio a baixas expectativas

Os negociadores comerciais de EUA e China estão preparados para reiniciar reuniões em Xangai nesta semana, depois que as negociações comerciais foram interrompidas em maio.

As expectativas para qualquer grande avanço são baixas, embora as esperanças possam se concentrar em mais detalhes sobre os gestos de "boa vontade" feitos desde a trégua do G-20. Estes incluem compras chinesas das commodities agrícolas e os EUA permitindo que as empresas retomassem algumas vendas para a gigante de tecnologia da China, a Huawei Technologies.

Progresso concreto ainda está faltando com as compras de soja da China atingindo seu nível mais baixo em mais de uma década, enquanto Washington disse que responderia aos pedidos de exceções para vender produtos para a Huawei nas próximas semanas.

O presidente Donald Trump também não mostrou sinais de recuar ao ameaçar não reconhecer o status da China como um "país em desenvolvimento" na Organização Mundial do Comércio.

A China disse segunda-feira que espera que os EUA irá criar condições positivas para as conversas.

2.Os futuros dos EUA em pausa antes da decisão do Fed

Os futuros dos EUA apontavam para uma abertura estável no começo da semana antes da reunião de política monetária de dois dias do Federal Reserve, que começa na terça-feira.

Espera-se amplamente que o Fed reduza as taxas de juros pela primeira vez em mais de uma década. Os mercados monetários mantiveram a aposta em um corte de um quarto de ponto percentual, após as expectativas de um corte de meio por cento subirem rapidamente no meio do mês, antes de recuar.

A decisão do Fed provavelmente ofuscará outros anúncios das políticas do Banco do Japão e do Banco da Inglaterra que deverão manter-se estáveis.

Sem se mover, o BoJ pode reforçar seu compromisso de manter as taxas de juros em mínimos históricos, enquanto o BoE pode oferecer sua avaliação da atual crise econômica britânica, e como ela pode responder no caso de um Brexit forte.

A decisão do Banco Central Europeu de realizar na semana passada dá ao BoJ algum espaço para respirar em meio a uma mudança para uma postura mais dovish pelos bancos centrais em todo o mundo.

3. A temporada de ganhos continua

Os investidores podem esperar por mais uma série de ganhos esta semana com 170 empresas listadas no S&P 500 definidas para divulgar os resultados.

Dos 76% das empresas que divulgaram relatórios até agora superaram as expectativas de lucro em crescimento de 5,5%, enquanto 62% superaram as estimativas de vendas em crescimento de 4,4%, de acordo com The Earnings Scout.

Enquanto os mercados terão que esperar mais um dia pela Apple (NASDAQ:AAPL), sem dúvida a estrela da semana, Booz Allen Hamilton (NYSE:BAH), Cooper Tire&Rubber Company (NYSE:CTB), Oil States International (NYSE:OIS) and Sanofi (PA:SASY) estão entre as empresas que divulgarão seus números trimestrais antes da abertura de segunda-feira.

A Beyond Meat (NASDAQ:BYND), AK Steel (NYSE:AKS) e Arch Capital (NASDAQ:ACGL) também estão programadas para relatar após o fechamento do mercado.

4. Fusões e aquisições globais aceleram

Os movimentos das empresas aumentaram em nível global depois que o London Stock Exchange Group (LON:LSE) (LON:) disse na sexta-feira que estava negociando a compra da Refinitiv Holdings, em negócio no valor de US$ 27 bilhões incluindo dívidas.

A Pfizer (NYSE:PFE) teria conversado com a fusão de seu negócio de medicamentos sem patente com a Mylan (NASDAQ:MYL).

A Takeaway.com, firma de entrega de alimentos on-line baseada em Amsterdã (AS:TKWY), concordou em comprar Just Eat (OTC:JSTTY) em um all-share que valoriza o grupo combinado em cerca de 8,2 bilhões de libras (US$ 10,1 bilhões).

A empresa Grab, do sudeste da Ásia, anunciou na segunda-feira que investirá US$ 2 bilhões na Indonésia durante cinco anos, usando o capital do Softbank Group Corp. (T:9984), que quer aumentar sua exposição ao mercado mais populoso da região.

5. Libra cai para maior baixa em 2 anos em meio aos temores de um Brexit "duro"

A libra caiu até US$ 1,2322, o seu nível mais baixo desde 15 de março de 2017, depois de Michael Gove, uma figura sênior no novo governo, indicou que agora há uma possibilidade "muito real" do Reino Unido cair fora da União Europeia em 31 de outubro sem disposições transitórias.

As esperanças de chegar a um acordo de última hora diminuíram ainda mais com o ministro britânico das Relações Exteriores, Dominic Raab, dizendo que era a UE que precisava mudar sua posição "teimosa" para evitar uma ruptura sem acordo.

O recém-nomeado primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, não tem planos de visitar as capitais da UE neste verão, segundo o Daily Mail.

- Reuters contribuiu com esta reportagem

Economia