IPCA
0,1 Out.2019
Topo

StockBeat: Next se junta à Zara e H&M para explorar era digital

31/07/2019 14h16

O setor de moda já explora bem a era digital?
Você pode ser perdoado por pensar assim. A Next , muitas vezes vista como uma prévia aproximada para o setor no Reino Unido, certamente parece com saúde forte após uma atualização trimestral que superou suas próprias expectativas em muito.
As vendas a preço cheio cresceram 4% no segundo trimestre, muito melhor do que a pequena queda que haviam previsto. Isso apesar das vendas em suas lojas físicas caírem 4,2%. A salvação veio - como quase sempre acontece hoje em dia - na forma de vendas online, que saltaram 12%.
As ações da Next (LON:NXT) lideravam o FTSE até o meio da manhã em Londres.
Às 5h15, elas subiam 7,8%, enquanto o FTSE caía 0,3%. Outros mercados europeus estavam, em grande parte, pisando água antes da decisão sobre a taxa de juros do Federal Reserve e da coletiva de imprensa na quarta-feira. A referência, o Stoxx 600 ficou praticamente estável na terça-feira.
A Next, é um dos grupos crescentes de varejistas que parecem ter quebrado a barreira de transição para a distribuição multicanal, afastando-se das tradicionais operações fisicas.
Seus maiores rivais de moda, a Inditex (MC:ITX) (proprietária da Zara e da Massimo Dutti) e H&M Hennes & Mauritz (ST:HMb) ofereceram variações sobre o mesmo tema nos últimos anos, a H&M tem sofrido particularmente com os problemas de gerenciamento de estoque e com os compromissos incorretos com novas aberturas de lojas.
Nas profundezas de suas respectivas quedas, a Next caía 48% em relação à alta histórica, a Inditex caía 39% e a H&M caía 66%. Mas a Next está agora no auge a um ano e a H&M está testando uma alta de 18 meses. A Inditex subia 22% desde a baixa de dezembro.
Enquanto isso na terça-feira, a empresa alemã de roupas esportivas Puma (DE: {958793|PUMG}}) subia de 6,1% para um recorde em lucrativos negócios com os clubes de futebol Manchester City e Liverpool, bem como a sua reentrada no mercado de basquete dos EUA. A empresa elevou sua orientação para lucros operacionais e vendas anuais após um segundo trimestre forte, que contrastou com relatórios decepcionantes da Nike (NYSE:NKE) e Under Armour (NYSE:UAA) nos últimos dias.
Mas, se a Next, a H&M e a Inditex devem o renascimento de suas fortunas em algum grau ao transcender a loja física tradicional, os relatórios de ganhos desta semana mostraram que há um setor que não pode fazer isso. As ações da Intu Properties (LON:INTUP), que possuem shoppings no Reino Unido e na Espanha, caíam 22% para sua mínima em 27 anos na terça-feira, depois de reportar perdas crescentes no segundo trimestre. Isso arrastou o rival Hammerson (LON:HMSO), que relatou sua própria história de aflição na segunda-feira e que agora caía 18% na última semana. Para aqueles cujo negócio é a própria rua, a salvação parece tão distante quanto antes.

Economia