IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quinta-feira

01/08/2019 08h59

Confira as cinco principais notícias desta quinta-feira, 1º de agosto, sobre os mercados financeiros:
1. Dólar atinge alta de 2 anos depois de fala de Powell
O dólar subiu para níveis não vistos desde maio de 2017 contra seus pares de mercados desenvolvidos nesta quinta-feira, depois que o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, descartou um novo ciclo de flexibilização política.
Embora o Fed tenha atendido às expectativas de um corte de 25 pontos base, Powell chamou o movimento de "ajuste de ciclo intermediário" e disse que "não é o começo de uma longa série de cortes".
Ainda assim os mercados continuam apostando em um corte adicional já em setembro, os fundos futuros do Fed já não estão mais supondo que haverá um terceiro corte neste ano. Isso deixou o dólar superior em relação às outras moedas.
2. Bolsas do mundo mistas com ressaca do Fed
Depois que o Dow caiu mais de 300 pontos na quarta-feira, seu maior declínio desde maio, o sentimento de risco se espalhou para ações globais, mandando ações asiáticas para mínimas de seis semanas, embora o Nikkei 225 do Japão tenha encontrado apoio quando o iene teve uma queda de dois anos em relação ao dólar.
No entanto, as ações europeias pareciam se livrar da decepção em meio às negociações do meio do dia, graças em parte aos ganhos positivos do setor financeiro. O Barclays (LON:LON:BARC), o Standard Chartered (LON:LON:STAN) ou o Societe Generale (PA:PA:SOGN) todos registaram ganhos sólidos após os resultados.
Os futuros dos EUA se esforçaram para se recuperar, registrando um ligeiro salto à medida que a temporada de ganhos continuava a influenciar o pregão. As ações da Fitbit (NYSE:FIT) e da Qualcomm (NASDAQ:QCOM) afundavam nas negociações de pré-mercado, depois que as empresas divulgaram uma orientação decepcionante.
Verizon (NYSE:VZ), General Motors (NYSE:NYSE:GM) e DuPont (NYSE:NYSE:DD) divulgarão os lucros antes da abertura, enquanto o Pinterest (NYSE:NYSE:PINS) e a Western Union (NYSE:WU) estão entre as empresas divulgando depois que mercado fechar.
3. Atividade industrial global em foco antes dos ISM dos EUA
Com pouco progresso nesta semana das negociações comerciais de alto nível entre Washington e Pequim, os investidores receberão os dados mais recentes sobre a atividade industrial dos EUA em julho do Instituto de Gerenciamento de Suprimentos às 11h00.
Apesar dos conflitos comerciais prejudicarem a confiança das empresas, a indústria americana continuou a se expandir e uma pequena melhora é projetada para a leitura de quinta-feira.
A atividade industrial na zona do euro se contraiu pelo sexto mês consecutivo, com seu nível de confiança mais baixo desde dezembro de 2012, enquanto o Reino Unido se contraiu pelo um terceiro mês consecutivo com a produção diminuindo no ritmo mais rápido em sete anos. No entanto, ambas as leituras estavam acima das expectativas (ainda mais pessimistas).
4. Petróleo encerra rali enquanto o Fed decepciona
O petróleo dos EUA quebrou uma alta de cinco dias com o Fed decepcionando por não ter orientado uma série mais agressiva de cortes nas taxas de juros.
A falta de urgência do Fed impulsionou a moeda norte-americana em detrimento do petróleo bruto e outras commodities cotadas em dólar.
O recente rali do ouro negro foi fortemente apoiado pelas expectativas de que um Fed mais dovish faria mais para sustentar a demanda global de energia.
5. BoE não altera taxas de juros em meio a incerteza de Brexit
O Banco da Inglaterra manteve as taxas de juros inalteradas em uma decisão unânime na sua reunião de política monetária realizada nesta quinta-feira, enquanto os formuladores de política esperam que a sombra da saída do Reino Unido da União Européia desapareça.
Os mercados aguardam a avaliação do BoE sobre a crise atual da economia britânica e como ela poderia responder no caso de um Brexit duro com o novo primeiro-ministro Boris Johnson. O BoE revelou que suas projeções econômicas para 2019 e 2020 exclui a possibilidade de um Brexit sem acordo.
A libra atingiu seu nível mais baixo em relação ao dólar desde janeiro de 2017 durante a noite, em grande parte por medo de um Brexit sem acordo. Johnson manteve sua posição linha dura com Bruxelas, pedindo que o acordo de retirada seja reescrito e prometendo tirar o Reino Unido da UE em 31 outubro independentemente disso.
- Reuters contribuiu com esta reportagem

Economia