IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Klabin reverte prejuízo e lucra R$ 72 mi no 2º tri, mas ações têm leve queda

05/08/2019 10h37

Em dia marcado por queda para quase todos os papéis do Ibovespa, as ações A Klabin (SA:KLBN11) têm leve recuo de 0,32% a R$ 15,54, o que representa um dos melhores desempenhos do Ibovespa. No registrou no segundo trimestre de 2019, a companhia teve lucro líquido de R$ 72 milhões, revertendo assim o prejuízo de R$ 955 milhões de um ano antes, além do resultado negativo de R$ 196 milhões dos três primeiros meses do atual calendário.

No período, as receitas líquidas da companhia totalizaram R$ 2,6 bilhões, contra R$ 2,235 bilhões do mesmo trimestre de 2018, um crescimento de 16%. Em relação à abertura do ano, o resultado foi de avanço de 4%, quando foram registradas entradas de R$ 2,490 bilhões.

Com isso, o Ebitda ajustado da companhia foi de R$ 957 milhões, contra os R$ 884 milhões de abril a junho de 2018, uma alta de 8%, mas ficou 5% abaixo dos R$ 1,005 bilhão da abertura do ano.

Já a margem Ebitda ajustada foi de 40% no mesmo trimestre de 2018, e na abertura do ano, para 37% entre abril e junho de 2019.

Na base anual, endividamento da companhia caiu de 3,9x (lucro líquido/ Ebitda) para 3,0x.

A companhia destaca que o segundo trimestre do ano se mostrou bastante desafiador tanto no cenário interno quanto no exterior. No Brasil, a atividade econômica tem mostrado ritmo de recuperação mais lento do que o esperado, enquanto no cenário internacional os preços de algumas commodities, como por exemplo a celulose, mantiveram-se pressionados.

Para a Mirae Asset, o fato das expectativas de vendas físicas de papel e embalagem não terem sido confirmadas no 2T19, têm relação direta com o cenário de recuperação da economia doméstica não ter se confirmado no período.

A corretora observa que o engessamento da atividade econômica com o atraso na aprovação da Reforma da Previdência impactou o desempenho do 2T19 e terá o mesmo papel no 3T19. A recomendação é de Compra, mas para investimentos com perfil de retorno de longo prazo.

Mais Economia