IPCA
0,1 Out.2019
Topo

StockBeat:Mercados se retraem com a China sugerindo uma guerra monetária

05/08/2019 12h31

Por Geoffrey Smith
Os mercados acionários da Europa enfrentaram um teste de nervos na segunda-feira - e repetidamente fracassaram.
Os mercados sucumbiram a uma derrota geral depois que a China permitiu que sua moeda caísse abaixo do nível observado de 7 por dólar pela primeira vez desde a Crise Financeira Global de 2008, uma medida destinada a neutralizar o efeito das tarifas sobre a lucratividade das empresas chinesas. Pequim também instruiu os compradores estaduais a pararem de comprar produtos agrícolas dos EUA.
A medida da China aumenta o risco de desvalorizações competitivas em outros lugares, não apenas nos Estados Unidos, onde o presidente Donald Trump criticou incansavelmente o que ele considera ser a supervalorização do dólar e a falta de vontade do Federal Reserve em afrouxar a política monetária.
Ao sinalizar o colapso das negociações entre os dois países sobre o comércio, também é mais provável que o aumento de 10% nas importações norte-americanas de cerca de US$ 300 bilhões em produtos chineses entre em vigor em setembro, como foi ameaçado na semana passada por Trump. No mínimo, isso retarda o dia em que os EUA e a China resolverão uma disputa comercial que prejudicou setores blue-chip da Europa, sensíveis à exportação.
Às 6h00, a referência, o Stoxx 600 caía 2,0% para uma mínima de dois meses de 370,40, enquanto o alemão Dax caía 1,6%, o FTSE 100 de Londres caía 2,1% e o italiano FTSE MIB caía 1,5%.
Na maior parte, foram os que tiveram maior exposição à China e aos EUA que lideraram a queda. O grupo de locação de equipamentos Ashtead (LON:AHT), uma prévia aproximado para investimentos em empresas nos EUA, caía 4,6%, enquanto os grupos de metais e mineração sofreram com os preços das commodities mais importantes caindo em até 8%. A mineradora de cobre Antofagasta (LON:LON:ANTO) caía 3,5%, enquanto a Anglo American (LON:LON:AAL) caía 3,3%, a Glencore (LON:LON:GLEN) em 3,0% e a Rio Tinto (LON:LON:RIO) em 2,5%. Por outro lado, Fresnillo (LON:LON:FRES) subia 4,3%, antecipando ganhos inesperados nos preços do ouro.
As siderúrgicas ArcelorMittal SA (AS:MT) e Thyssenkrupp (DE:TKAG) caíam 4,5% e 3,6%, respectivamente, ameaçadas pela perspectiva de exportações de aço chinesas ainda mais baratas.
Os fabricantes de chips Infineon (DE:IFXGn), STMicroelectronics NV (PA:STM) e ASML (AS:ASML) caíam entre 2,1% e 3,5%, enquanto a Adidas (DE:ADSGN), cujo vestuário esportivo fabricado na China será atingido pela proposta novas tarifas dos EUA, caía 3,2%.
Fabricantes de produtos de luxo, com sua alta exposição aos mercados chinês e americano, também foram atingidos, com o suíço Richemont (SIX:CFR) e a Swatch (SIX:UHR) caindo quase 5%, enquanto o LVMH (PA:LVMH) caía 3,3% e a Burberry (LON:LON:{{6611|BRBRBY) 3,5%. A agitação crescente em Hong Kong, um mercado-chave para as vendas de luxo, apenas aumentou o mal-estar geral.
Os automóveis também sofreram com os grupos de componentes Faurecia (PA:EPED), Valeo (PA:PA:VLOF) e Schaeffler (DE:SHA_p) sendo os maiores atingidos. O destaque foi Renault (PA:RENA), que subia 0,4% depois de reiniciar as negociações com a Nissan (T:7201) sobre a revitalização de sua problemática parceria estratégica.
Mas alguns dos maiores perdedores estavam nos bancos, um setor que sofrerá, em grande parte, efeitos secundários de uma guerra cambial entre os EUA e a China. O BNP Paribas (PA:PA:BNPP), o Credit Agricole (PA:PA:CAGR) e o Natixis (PA:CNAT) caíam mais de 2% com a percepção de que o BCE agirá de forma ainda mais agressiva do que o sinalizado para deter a alta do euro em relação ao dólar e ao yuan. O HSBC (LBA:HSBA), focado na China, caía ainda mais, em 3,6%, com o presidente-executivo demitido, John Flint, após apenas 18 meses.

Economia