IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Petróleo na mínima desde janeiro; Ouro rompe teto de 6 anos com aversão ao risco

07/08/2019 16h34

De Barani Krishnan

Investing.com – O ambiente ruim para o petróleo piorou com o primeiro aumento nos estoques dos Estados Unidos em oito semanas, enquanto o benchmark global Brent oficialmente entrou em bear market.

O petróleo bruto WTI, negociado em Nova York, perdia US$ 2,04, ou 3,8%, a US$ 51,59 por barril às 16h20. No pior momento do dia, o contrato futuro foi negociado a US$ 50,53, menor valor desde janeiro. O WTI perde valor pelo terceiro dia consecutivo, somando cerca de 8% na semana e 13% no mês.

O Brent, negociado em Londres, a referência para petróleo fora dos EUA, recuava US$ 2,28, ou 3,6%, para US$ 56,70, permanecendo abaixo do nível de US$ 60 o barril. O contrato caiu mais de 20% desde o final de abril, o que marca o bear market, conceito popular de um declínio de 20% ou mais de um pico recente.

No ano, o WTI acumula ganhos de 12%, enquanto o Brent está com alta de 5%.

O sentimento em petróleo fez uma reviravolta de 180 graus em apenas uma semana desde que o presidente do Federal Reserve Jerome Powell indicou que o banco central reduziu juros, mas que essa poderia não ser uma tendência, mas um ajuste. Isso contrariou as expectativas de mercado de um ciclo de corte mais prolongado.

Nos últimos dias, a ameaça do presidente Donald Trump de cobrar uma tarifa de 10% sobre os US$ 300 bilhões de importações chinesas, até então não tributadas, resultou na desvalorização do iuan por parte de Pequim, perturbando ainda mais os Estados Unidos, que há muito se queixam das práticas comerciais chinesas. Washington, na noite de terça-feira, classificou a China como um manipulador de moedas.

Nesta quarta-feira, a agência de energia dos EUA informou em seu conjunto de dados sobre o mercado de petróleo que estoque bruto aumentou em 2,39 milhões de barris na semana até 2 de agosto.

Os analistas esperavam uma redução de 2,85 milhões de barris, após um declínio de 8,5 milhões de barris na semana anterior. Os estoques de petróleo retraíram quase 50 milhões de barris nas oito semanas anteriores, ajudando a sustentar os preços do petróleo.

"O primeiro aumento dos estoques de petróleo em oito semanas coloca uma pressão ainda mais de baixa sobre os preços em meio a uma forte liquidação", disse Matthew Smith, que, como diretor de commodities, que rastreia cargas de petróleo na Clipperdata, sediada em Nova York.

Smith disse que, apesar de um salto maciço na atividade de refino de quase 800.000 barris por dia na semana passada, que elevou as atividades para ponto mais alto do ano, os saldos de petróleo ainda são devidos a importações.

A agência também informou que os estoques de gasolina subiram inesperadamente em 4,44 milhões de barris, em comparação com as expectativas de uma queda de 0,72 milhão de barris, enquanto os estoques de destilados aumentaram em 1,53 milhão de barris, contra previsões para um ganho de 0,48 milhão.

Ouro rompe teto

Tariq Zahir, membro-gerente do Tyche Capital Advisors, em Nova York, observou que os investidores começaram a investir em mercados de títulos, derrubando os rendimentos - uma medida que começou uma aversão ao risco que impulsiona o ouro.

Os contratos futuros de ouro chegaram a US$ 1.500 pela primeira vez em seis anos nesta quarta-feira, reagindo à desvalorização do iuan e à intensificação da guerra comercial EUA-China.

"Tudo isso está pesando sobre o próprio setor de energia, se é um risco de estar fora de postura ou uma possível desaceleração adicional nas economias dos EUA e do mundo", disse Zahir.

Economia