Topo

Balanços: 4ª traz números da Via Varejo, Natura, JBS e Ultra; confira expectativas

14/08/2019 13h55

Após o fechamento do pregão desta quarta-feira, a temporada de balanços do segundo trimestre do ano terá continuidade. Entre os diversos números esperados para hoje, se destacam os do Via Varejo (SA:VVAR3), Natura (SA:NATU3), JBS (SA:JBSS3) e Ultrapar (SA:UGPA3).

Além disso, também serão divulgados os resultados da Cemig (SA:CMIG4), Copel (SA:CPLE6), Linx (SA:LINX3) e Marfrig (SA:MRFG3), entre outras companhias.

Confira o consenso de mercado e também as estimativas dos analistas do BTG Pactual (SA:BPAC11).

- Cemig (SA:CMIG4)

Para a estatal mineira, o consenso de mercado é de lucro líquido por ação de R$ 0,31 no segundo trimestre do ano, sendo que no mesmo período de 2018, foram registradas perdas de R$ 0,04 para cada papel. Nos três primeiros meses de 2019, o resultado foi de R$ 0,55.

No caso das receitas, a mediana dos analistas aponta para R$ 5,85 bilhões entre abril e junho, sendo que um ano antes foi de R$ 5,53 bilhões. Já entre janeiro e março de 2019, os números foram de R$ 5,81 bilhões, ante estimativa de R$ 5,49 bilhões.

A equipe de analistas do BTG Pactual (SA:BPAC11) estima que a companhia encerre o segundo trimestre com lucro de R$ 555 milhões, sendo que um ano antes foi de perdas de R$ 60 milhões. Já para as receitas, as apostas são de R$ 5,817 bilhões, ante os R$ 5,534 bilhões do mesmo período de 2018. Assim, o Ebitda deve ir de R$ 810 milhões para R$ 944 milhões em 12 meses, com margem de 17%.

- Ultrapar (SA:UGPA3)

O consenso de mercado para a distribuidora de combustíveis é de um lucro líquido por ação de R$ 0,24 no segundo trimestre, contra R$ 0,43 de um ano antes, quando eram esperados R$ 0,40. Já nos três primeiros meses de 2019, o resultado foi de R$ 0,21 por ação.

Já para as receitas, os analistas esperam resultado de R$ 23,23 bilhões no trimestre, contra os R$ 22,65 bilhões de um ano antes. Já entre janeiro e março de 2019, o resultado foi de R$ 20,74 bilhões.

O BTG Pactual (SA:BPAC11) trabalha com estimativa de lucro líquido de R$ 230 milhões e receitas de R$ 22,697 bilhões no período, com o Ebitda em R$ 890 milhões e a margem em 4%. No mesmo período de 2018, os resultados foram, respectivamente, de R$ 242 milhões, R$ 22,646 bilhões e R$ 907 milhões.

- Via Varejo (SA:VVAR3)

O consenso de mercado para a companhia varejista é de um lucro líquido por ação de R$ 0,04 no segundo trimestre, contra R$ 0,05 de um ano antes. Já nos três primeiros meses de 2019, o prejuízo foi de R$ 0,03 por ação, ante estimativa de lucro de R$ 0,02

Já para as receitas, os analistas esperam resultado de R$ 6,44 bilhões no trimestre, contra os R$ 6,64 bilhões de um ano antes. Já entre janeiro e março de 2019, o resultado foi de R$ 6,33 bilhões, ante estimativa de R$ 6,86 bilhões.

- Copel (SA:CPLE6)

Para a estatal paranaense, o consenso de mercado é de lucro líquido por ação de R$ 1,52 no segundo trimestre do ano, sendo que no mesmo período de 2018, foram registrados ganhos de R$ 1,06 para cada papel, ante estimativa de R$ 0,98. Nos três primeiros meses de 2019, o resultado foi de R$ 1,82.

No caso das receitas, a mediana dos analistas aponta para R$ 3,56 bilhões entre abril e junho, sendo que um ano antes foi de R$ 3,61 bilhões. Já entre janeiro e março de 2019, os números foram de R$ 3,9 bilhões.

- Linx (SA:LINX3)

O consenso de mercado para a companhia de tecnologia é de um lucro líquido por ação de R$ 0,16 no segundo trimestre, contra R$ 0,11 de um ano antes, quando eram esperados R$ 0,14. Já nos três primeiros meses de 2019, o resultado foi de R$ 0,11 por ação, ante estimativa de R$ 0,12

Já para as receitas, os analistas esperam resultado de R$ 188,51 milhões no trimestre, contra os R$ 170,87 milhões de um ano antes, quando eram esperados R$ 170,8 milhões. Já entre janeiro e março de 2019, o resultado foi de R$ 176,8 milhões.

O BTG Pactual (SA:BPAC11) trabalha com estimativa de lucro líquido de R$ 21 milhões e receitas de R$ 188 milhões no período, com o Ebitda em R$ 55 milhões e a margem em 29%. No mesmo período de 2018, os resultados foram, respectivamente, de R$ 29 milhões, R$ 171 milhões e R$ 40 milhões.

- Marfirg

Para o frigorífico, o consenso de mercado é de lucro líquido por ação de R$ 0,13 no segundo trimestre do ano, sendo que no mesmo período de 2018, foram registradas perdas de R$ 0,91 para cada papel, quando era esperado prejuízo de R$ 0,08. Nos três primeiros meses de 2019, o resultado foi de R$ 0,01.

No caso das receitas, a mediana dos analistas aponta para R$ 11,6 bilhões entre abril e junho, sendo que um ano antes foi de R$ 6,14 bilhões, ante os R$ 9,94 bilhões esperados. Já entre janeiro e março de 2019, os números foram de R$ 10,08 bilhões.

A equipe de analistas do BTG Pactual (SA:BPAC11) estima que a companhia encerre o segundo trimestre com lucro de R$ 102 milhões, sendo que um ano antes foi de perdas de R$ 452 milhões. Já para as receitas, as apostas são de R$ 11,793 bilhões, ante os R$ 9,944 bilhões do mesmo período de 2018. Assim, o Ebitda deve ir de R$ 918 milhões para R$ 1,132 bilhão em 12 meses, com margem de 10%.

- Natura (SA:NATU3)

O consenso de mercado para a companhia cosméticos é de um lucro líquido por ação de R$ 0,23 no segundo trimestre, contra R$ 0,27 de um ano antes, diante de estimativa de R$ 0,21. Já nos três primeiros meses de 2019, o resultado foi de R$ 0,03 por ação, ante estimativa de lucro de R$ 0,15

Já para as receitas, os analistas esperam resultado de R$ 3,34 bilhões no trimestre, contra os R$ 3,1 bilhões de um ano antes. Já entre janeiro e março de 2019, o resultado foi de R$ 2,92 bilhões, ante estimativa de R$ 2,87 bilhões.

A equipe de analistas do BTG Pactual (SA:BPAC11) estima que a companhia encerre o segundo trimestre com lucro de R$ 62 milhões, sendo que um ano antes foi de R$ 32 milhões. Já para as receitas, as apostas são de R$ 3,373 bilhões, ante os R$ 3,100 bilhões do mesmo período de 2018. Assim, o Ebitda deve ir de R$ 372 milhões para R$ 478 milhões em 12 meses, com margem de 14%.

- JBS (SA:JBSS3)

Para o frigorífico, o consenso de mercado é de lucro líquido por ação de R$ 0,60 no segundo trimestre do ano, sendo que no mesmo período de 2018, foram registradas perdas de R$ 0,34 para cada papel. Nos três primeiros meses de 2019, o resultado foi de R$ 0,41.

No caso das receitas, a mediana dos analistas aponta para R$ 50,41 bilhões entre abril e junho, sendo que um ano antes foi de R$ 45,1 bilhões. Já entre janeiro e março de 2019, os números foram de R$ 44,37 bilhões.

A equipe de analistas do BTG Pactual (SA:BPAC11) estima que a companhia encerre o segundo trimestre com lucro de R$ 1,503 bilhão, sendo que um ano antes foi de R$ 2,998 bilhões. Já para as receitas, as apostas são de R$ 50,808 bilhões, ante os R$ 45,176 bilhões do mesmo período de 2018. Assim, o Ebitda deve ir de R$ 4,238 bilhões para R$ 4,481 bilhões em 12 meses, com margem de 9%.

Mais Economia