PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Construtoras têm forte alta e puxam IMob após mudanças no financiamento da Caixa

21/08/2019 14h51

Na tarde desta quarta-feira, o Índice Imobiliário da bolsa paulista opera com alta de 2,75%, aos 1.089,42 pontos, em um dia de otimismo no mercado local de ações e com os papéis reagindo aos planos dos bancos para redução de juros para o financiamento de imóveis no país, o que puxa o desempenho das companhias do setor.

Às 13h55, a Cyrela (SA:CYRE3) puxava o índice com alta de 6,78% a R$ 24,88, seguida de MRV (SA:MRVE3) com valorização de R$ 6,63% a R$ 18,99, de Even (SA:EVEN3)(+5,45% a R$ 10,64), Eztec (SA:EZTC3)(+4,53% a R$ 36,92), Direcional (SA:DIRR3)(+2,24% a R$ 23,30) e Tenda (SA:TEND3)(+1,72% a R$ 24,80). Entre as construtoras, a única queda é da Gafisa (SA:GFSA3), que recua 0,35% a R$ 5,68.

Ontem, a Caixa Econômica Federal lançou uma nova linha de financiamento imobiliário vinculada ao IPCA, no momento em que o setor dá sinais de recuperação no país.

Segundo o presidente-executivo da Caixa, Pedro Guimarães, a nova linha terá taxa de juros anual a partir de 2,95% para imóveis residenciais enquadrados no Sistema Financeiro de Habitação (SFH). A taxa máxima será de IPCA mais 4,95% ao ano.

O SFH é para imóveis com valor de até R$ 1,5 milhão em que se pode usar recursos do FGTS. O SFH para valores acima desse valor e o Sistema Financeiro Imobiliário (SFI) não usa recursos do fundo de garantia. As taxas estarão vigentes a partir da próxima segunda-feira.

BB (SA:BBAS3)

Já o Banco do Brasil (SA:BBAS3) iniciou um novo procedimento para concessão de empréstimos imobiliários, oferecendo taxas mais reduzidas de acordo com a duração do financiamento.

Em material enviado a agentes imobiliários, ao qual a Reuters teve acesso, o BB (SA:BBAS3) apresentou uma tabela válida para as linhas de carteira hipotecária e do Sistema Financeiro da Habitação (SFH).

Para contratos com prazo de até 60 meses, a taxa anual será a partir de 7,99%. No caso de financiamentos de 61 a 118 meses, a taxa sobe a 8,05%, chegando a 8,10% quando o período for de 119 a 178 meses. Se o financiamento for pago entre 179 e 238 meses, a taxa será de 8,15%. Para o intervalo de 239 a 298 meses, o juro sobe a 8,24%, avançando para 8,29% nos casos de 299 a 359 prestações. Por fim, financiamentos com prazos de 359 a 418 meses pagarão 8,45% ao ano.

Bradesco (SA:BBDC3)

O segundo maior banco privado do país está preparado para oferecer aos clientes crédito imobiliário vinculado ao IPCA, caso haja demanda, disse ba terça-feira o diretor de relações com investidores do banco, Leandro Miranda.

Segundo o executivo é preciso saber se o tomador do crédito estaria disposto a ter esse tipo de crédito em função do histórico de alta inflação no Brasil.

"Não sei se o cliente gostaria de ter um risco de inflação de 30 anos em virtude do histórico que temos no Brasil", disse Miranda a jornalistas. "De 12 anos eu acho viável porque há proteções de inflação através de derivativos, se quiser transformar em taxa fixa", acrescentou ele após de participar de reunião Apimec.