PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

BTG Pactual é alvo de nova fase da Operação Lava Jato da Polícia Federal

23/08/2019 09h18

A Polícia Federal deflagrou a 64ª fase da Operação Lava Jato na manhã desta sexta-feira, realizando buscas na sede do Banco BTG Pactual (SA:BPAC11). São 12 mandados de busca e apreensão em São Paulo e no RIo de Janeiro de acordo com a Polícia Federal. O portal G1 informa que a casa de André Esteves, sócio do banco, também é alvo da operação. O jornalista Lauro Jardim, colunista de O Globo, diz que a PF também está na casa de Maria da Graça Foster, ex-presidente da Petrobras (SA:PETR4) no governo Dilma Rousseff. O BTG Pactual ainda não se pronunciou sobre a operação. As medidas cautelares foram autorizadas pela 13ª Vara Federal de Curitiba.

A Polícia Federal diz que esta fase é baseada no acordo de delação premiada de Antonio Palocci, do ex-ministro dos governos Lula e Dilma. O objetivo é identificar os beneficiários da planilha "Programa Especial Italiano", como eram chamadas pelo setor de propinas da construtora Odebrecht as entregas de valores ilícitos a autoridades. A delação de Palocci já foi homologada pelo ministro do STF Edson Fachin, que fatiou as informações e as enviou para São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Curitiba para facilitar medidas investigativas.

Esta fase da Lava Jato investiga outros casos suspeitos de corrupção envolvendo o BTG Pactual (SA:BPAC11). A Polícia Federal apura indícios de corrupção na exploração do pré-sal e no projeto de desinvestimentos de ativos no continente africano. Neste caso, as investigações se estendem a Petrobras (SA:PETR4) e Banco do Brasil (SA:BBAS3). Se confirmada, esta conduta ilegal pode ter causado um prejuízo de aproximadamente R$ 6 bilhões aos cofres públicos em valores atualizados.

A operação foi batizada de "Pentiti", que significa "arrependidos" em italiano. O termo é usado na Itália para se referir a integrantes de organizações criminosas que se arrependeram de seus crimes e colaboram com as autoridades nas investigações após a prisão.

*Com G1, O Globo e Valor Econômico