PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

StockBeat: BP se posiciona para a caçada de pechinchas de ajuste do xisto

28/08/2019 11h41

Por Geoffrey Smith
A BP (LON:BP) está reforçando sua posição para uma busca por pechinchas, e o mercado aprova.
Sob um acordo anunciado na noite de terça-feira, a BP venderá todo o seu negócio no Alasca, incluindo ativos de produção no North Slope e sua participação no Trans Alaska Pipeline System, para a subsidiária privada Hilcorp Alaska por US$ 5,6 bilhões.
O acordo é grande o suficiente para levar a BP (LON:BP) à meta de arrecadar US$ 10 bilhões em vendas de ativos até o final do próximo ano e - assumindo que o acordo liquida os obstáculos normativos - fortalecer significativamente o balanço patrimonial da empresa num momento em que as perspectivas para o setor estão mais obscuras do que normalmente em razão da guerra comercial EUA-China e pelo risco de um Brexit sem acordo. O preço das ações da empresa caiu quase 15% desde abril, já que essas ameaças ao crescimento se tornaram cada vez mais relevantes.
Se tudo continuar do mesmo jeito, os recebimentos da venda aumentariam em cerca de um quarto o montante de dinheiro da BP. Isso deve reduzir a volatilidade do preço de suas ações, oferecendo alguma proteção contra qualquer piora no sentimento do mercado como um todo.
Isso também deixa a BP (LON:BP) em uma posição invejável para futuras atividades de fusões e aquisições, que a empresa sugeriu que sejam prováveis em mais de uma ocasião. Na declaração de terça-feira, o CEO Bob Dudley se esforçou para enfatizar: "Continuamos muito otimistas no setor de energia dos EUA. Nos últimos três anos, investimos mais de US$ 20 bilhões nos EUA e continuaremos buscando outras oportunidades de investimento aqui."
Ele pode não ter que esperar muito tempo. Com os preços do petróleo caindo cerca de 20% em relação aos picos do ano passado, muitas operadoras de xisto estão mais uma vez enfrentando restrições financeiras. A contagem de plataformas petrolíferas da Baker Hughes atingiu o seu nível mais baixo desde o início de 2018 na semana passada, e empresas de serviços petrolíferos como a Schlumberger (NYSE:SLB) já informaram os investidores sobre a desaceleração que eles vêem chegando no setor de upstream dos EUA.
Para citar um exemplo hipotético, com os US$ 5,6 bilhões do Alasca a BP (LON:BP) teriam comprado menos de 20% da Continental Resources (NYSE:CLR) no ano passado; hoje compraria uma participação majoritária.
Às 6h00, a BP (LON:BP) teve um dos melhores desempenhos no FTSE 100 do Londres com um ganho de 1,9%. O Reino Unido foi uma das poucas bolsas a subir nesta quarta-feira contra um cenário de contínuos temores sobre o crescimento global, mesmo com o ganho de 0,4% no FTSE 100 em grande parte resultado da queda da libra esterlina em resposta às notícias da mais recente manobra do governo para forçar o Brexit em 31 de outubro.
Outros mercados estavam amplamente inferiores, com o índice Stoxx 600 caindo 0,4% em 372,22, e o alemão DAX caindo 0,5%. O FTSE MIB da Itália teve um desempenho de apenas 0,2%, com os investidores agarrando-se às esperanças de que um novo governo que pouparia o país das eleições no outono europeu. Não é esperada uma decisão sobre o resultado das negociações entre o Movimento das Cinco Estrelas e o Partido Democrata até depois do fechamento do mercado.