PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

ABERTURA: Após abrir em queda, Ibov futuros sobe focado em BC's e alta do petróleo

16/09/2019 09h06

A segunda-feira começou com o índice Ibovespa Futuros seguindo a tendência do exterior, com queda de 0,06% aos 103.760 pontos, enquanto o dólar avança 0,15% a R$ 4,0903. Às 09h57, o índice passou a subir 0,26% a 104.085 pontos, enquanto a moeda americana segue negociado sob o mesmo preço.

A semana, que já prometia ser bastante agitada com votações no Congresso Nacional e as reuniões do Fomc e do Copom, ganhou um novo ingrediente com o ataque, de origem ainda incerta, às instalações de petróleo na Arábia Saudita. Além de afetar a oferta e elevar o preço, o acontecimento acende a preocupação do agravamento da tensão geopolítica no Oriente Médio.

- Cena Local

A semana deve ter um importante movimento por aqui. A votação do primeiro turno da reforma da Previdência no Senado deve acontecer nos próximos dias, com o mercado também esperando notícias da reforma Tributária. A reunião do Copom deve, no entanto, centrar as atenções dos investidores.

A expectativa do mercado é que o Banco Central, na reunião que tem início na terça-feira, decida por um novo corte da taxa Selic, com a expectativa da maior parte do mercado de uma redução de 0,5 ponto percentual, para 5,50%. O movimento acompanha a tendência internacional de redução dos juros.

- Cena Externa

Petróleo na Arábia Saudita

O grupo Houthi, do Iêmen, alinhado ao Irã, disse ter atacado duas grandes instalações petrolíferas no centro da indústria de petróleo da Arábia Saudita no sábado, destruindo mais da metade da produção do reino saudita, em uma ação que deverá elevar os preços do petróleo e aumenta as tensões no Oriente Médio.

Os ataques reduziram a produção do Reino em 5,7 milhões de barris por dia (bpd), de acordo com comunicado da empresa estatal de petróleo Saudi Aramco, ou mais de 5 por cento do suprimento global de petróleo.

Os ataques ocorrem após outros ataques transfronteiriços às instalações de petróleo sauditas e a navios petroleiros nas águas do Golfo, mas estes foram os mais atrevidos até agora, prejudicando temporariamente grande parte da capacidade de produção do país. A Arábia Saudita é o maior exportador do mundo, transportando mais de 7 milhões de barris de petróleo para destinos globais todos os dias.

O alcance e precisão dos bombardeios realizados por drones contra refinarias da Arábia Saudita no sábado sugere que o ataque não foi conduzido por Houthis e que foi promovido a partir da direção oeste-noroeste, não do sul, a partir do Iêmen, disse uma autoridade dos Estados Unidos, neste domingo.

"Não há dúvida de que o Irã é responsável. Não importa como você analise, não há escapatória. Não há outro candidato. A evidência aponta para nenhuma outra direção além daquela que torna o Irã responsável por isso", disse a autoridade à Reuters.

China

A desaceleração nos setores manufatureiro e consumidor da China aprofundou-se em agosto, com a produção industrial crescendo no ritmo mais fraco em 17 anos e meio, um sinal de crescente fraqueza em uma economia esmagada por obstáculos ao comércio e pela fraca demanda doméstica.

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, disse em uma entrevista publicada antes dos dados desta segunda-feira que seria "muito difícil" para a economia continuar crescendo a 6% ou mais e que enfrentava "pressão descendente".

Analistas dizem esperar que os dados mais recentes levem a mais cortes nas principais taxas de empréstimos pelas autoridades chinesas. Os investidores também analisaram as últimas notícias e comentários em busca de sinais de alívio na disputa comercial sino-americana.

Brexit

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, vai explorar as chances de conseguir um acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia durante almoço com o chefe da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, nesta segunda-feira, depois de um fim de semana em que ambos sugeriram que suas posições permanecem distantes.

Com menos de sete semanas faltando para o Brexit, Johnson ainda não chegou a um acordo com a UE sobre como gerenciar a separação entre a quinta maior economia do mundo e seu maior parceiro comercial.

O premiê disse no domingo que ainda estava buscando um acordo antes do dia do divórcio, em 31 de outubro, e que os próximos dias serão decisivos para saber se ele vai conseguir.

- Agenda Americana

A semana nos Estados Unidos será marcada por alguns importantes indicadores de destaque da economia americana, como o da produção industrial, na terça-feira, de agosto, que deve registrar alta de 0,1%, depois de cair 0,2% em julho.

Na quarta-feira, o Fomc encerra sua reunião de setembro, com o consenso do mercado apontando para uma redução nos juros do país, de 2,0% a 2,25% para 1,875/5. No mesmo dia, o Federal Reserve divulgará projeções para a economia americana, bem como seu presidente, Jerome Powell, dará entrevista coletiva.

BOLSAS INTERNACIONAIS

Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 1,05%, a 21.988 pontos. Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 0,83%, a 27.124 pontos. Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,02%, a 3.030 pontos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, recuou 0,37%, a 3.957 pontos.

A segunda-feira nos mercados europeus é marcada pelos rumos negativos. Em Frankfurt, o DAX opera com perdas de 0,61% aos 12.392 pontos, enquanto que em Londres, o FTSE cai 0,25% em 7.349 pontos. Já o CAC, de Paris, recua 0,78% aos 5.611 pontos.

COMMODITIES

Após o feriado da última sexta-feira, do Festival da Lua, os contratos futuros do minério de ferro tiveram nesta segunda-feira um novo dia de valorização. O ativo de maior volume de negócios, com data de vencimento para janeiro do próximo ano, encerrou a 670,50 iuanes por tonelada, uma variação de 0,45% na comparação com o valor de liquidação anterior de 667,50 iuanes, representando uma variação de 3,00 iuanes.

No mesmo sentido, a jornada foi de ganhos para os preços internacionais do vergalhão de aço, que tiveram, que são transacionados na também chinesa bolsa de mercadorias de Xangai. O contato de maior liquidez, de janeiro de 2020, somou 62 iuanes para 3.564 iuanes por tonelada.

- Petróleo

Os preços do petróleo chegaram a disparar quase 20% em certo ponto nesta segunda-feira, com o Brent apresentando o maior ganho intradiário desde a Guerra do Golfo em 1991, após um ataque sobre instalações sauditas no fim de semana ter cortado pela metade a produção do reino.

Os preços caíram das máximas depois que o presidente norte-americano Donald Trump autorizou o uso de estoques de emergência de seu país para assegurar a estabilidade do suprimento.

O petróleo Brent subia US$ 6,25, ou 10,38%, a US$ 66,47 por barril por volta das 8h45. O petróleo dos Estados Unidos (WTI) avançava US$ 5,17, ou 9,43% por cento, a US$ 59,97 por barril.

O Brent chegou a tocar US$ 71,95 mais cedo, alta de 19,5%, maior alta intradiária desde 14 de janeiro de 1991. O petróleo nos EUA chegou a subir 15,5%, para 63,34 dólares, maior alta intradiária desde 22 de junho de 1998.

MERCADO CORPORATIVO

- Oi (SA:OIBR4)

O jornal espanhol El Confidencial publicou nesta segunda-feira, citando fontes, que a Telefónica analisa a compra parcial do grupo brasileiro de telecomunicações em recuperação judicial Oi (SA:OIBR4), avaliada em 6 bilhões de euros.

A Telefónica já contratou banco de investimento como assessor para uma eventual transação, publicou o jornal espanhol.

- ANP

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) apresentou proposta para encerrar controvérsias sobre a 12ª rodada de licitação de blocos exploratórios, anos após liminares suspenderem a exploração de diversas áreas envolvidas no leilão de 2013.

Em comunicado nesta sexta-feira, a ANP disse que sua diretoria elaborou termo de resilição consensual para extinguir obrigações de cumprimento do programa exploratório mínimo de blocos na área da bacia do Recôncavo alvo de uma decisão judicial de 2014, sendo que a mesma opção deverá ser estendida a concessionárias na mesma situação.

A 12ª rodada em agosto de 2013 teve 72 blocos arrematados, mas depois liminares suspenderam os resultados para diversos blocos, alegando riscos relacionados à exploração de gás de folhelho (conhecido como de xisto) nas áreas.

- Petrobras (SA:PETR4)

P-68

A Petrobras (SA:PETR4) informou que a plataforma FPSO P-68 saiu do estaleiro Jurong Aracruz rumo aos campos de Berbigão e Sururu, no pré-sal da bacia de Santos, e previu início da produção no quarto trimestre de 2019, de acordo com comunicado nesta segunda-feira.

A FPSO (unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência de petróleo e gás) tem capacidade de processamento de 150 mil barris/dia de óleo e 6 milhões de metros cúbicos/dia de gás, além de capacidade de armazenamento de 1,6 milhão de barris de óleo.

Os campos de Berbigão e Sururu estão localizados na concessão BM-S-11A, operada pela Petrobras (SA:PETR4) (42,5%) em parceria com Shell Brasil (25%), Total (22,5%) e Petrogal (10%).

Desinvestimento

A Petrobras (SA:PETR4) informou nesta sexta-feira que iniciou a etapa de divulgação de oportunidade de desinvestimento ("teaser") para a venda de 100% de sua participação nas concessões terrestres Polo Cupiúba e Carapanaúba, no Amazonas.

O desinvestimento inclui as instalações de escoamento dos campos, dos quais a estatal é operadora com 100% de participação, segundo fato relevante divulgado pela petroleira.

O Polo Cupiúba e Carapanaúba é composto por duas concessões terrestres com instalações integradas localizadas em Coari (AM), tendo registrado produção média de 81 barris por dia de óleo e 82 mil metros cúbicos diários de gás em 2018, informou a Petrobras (SA:PETR4).

"Essa operação está alinhada à otimização do portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, visando à geração de valor para os nossos acionistas", disse a estatal, acrescentando que as principais etapas subsequentes do projeto de desinvestimento serão informadas oportunamente.

- Cemig (SA:CMIG4)

A elétrica Cemig (SA:CMIG4) informou que um leilão para compra de energia solar e eólica realizado nesta sexta-feira pela companhia adquiriu 196,98 megawatts (MW) médios em contratos, com início de fornecimento em janeiro de 2023 e duração de 19 anos.

Os empreendimentos vencedores do certame totalizarão 476,2 MW em capacidade instalada, segundo comunicado da empresa estatal. A companhia não revelou as empresas vitoriosas na disputa e nem os preços praticados.

"Com esta contratação a Cemig (SA:CMIG4) aprimorou as condições de renovação de contratos com seus clientes, bem como está apta a ampliar a sua participação de mercado", disse a companhia.

A empresa havia informado no início desta semana que o leilão para compra de energia eólica e solar teve habilitados para participação cerca de 150 empreendimentos, que somavam aproximadamente 4,7 gigawatts instalados.

- Helbor (SA:HBOR3)

A incorporadora Helbor (SA:HBOR3) informou nesta sexta-feira que avalia realizar uma oferta primária subsequente de ações. Para isso, buscou os bancos Bradesco BBI, BTG Pactual (SA:BPAC11) e Itaú BBA para atuarem como coordenadores da possível oferta de ações, informou a companhia por meio de fato relevante.

O anúncio sublinha o crescente interesse de empresas do setor imobiliário para buscar recursos no mercado de capitais com objetivo de financiar planos de expansão, diante dos sinais de retomada do setor da construção civil no país.

Nesta semana, o conselho da Eztec (SA:EZTC3) aprovou fazer uma oferta primária de até 27 milhões de ações para compra de terrenos, novas incorporações e participação em novos projetos.

- Serpo

O Serpro, maior estatal de tecnologia do país, está procurando cada vez mais clientes no setor privado, enquanto tenta ampliar e diversificar suas receitas em preparação para uma listagem em bolsa, disse o presidente da companhia, Caio Paes de Andrade.

"Neste ano conseguimos cerca de 800 clientes do setor privado, para 1,3 mil; nossa meta é ter 4 mil até o final do ano que vem", disse Paes de Andrade em entrevista à Reuters.

Criado em 1964 para modernizar e agilizar setores estratégicos da administração pública, o Serpro tem cerca de 85% de sua receita total oriunda do setor público. Essa fatia já foi ainda maior, mas vem caindo nos últimos três anos após a empresa ter começado a vender processamento de dados públicos a clientes, que incluem desde os aplicativos de transportes Uber (NYSE:UBER) e 99 até bancos digitais e redes varejistas, como a Havan.

As empresas usam o processamento desses dados para formar modelos estatísticos que podem ajudar na prevenção de fraudes e de inadimplência, entre outros serviços.

AGENDA DE AUTORIDADES

- Jair Bolsonaro

O presidente da República segue internado em São Paulo onde se recupera de uma cirurgia. Com isso, não tem agenda oficial nesta segunda-feira.

- Paulo Guedes

- Reunião geral de secretários do Ministério da Economia;

- Almoço com secretários especiais;

- Reunião semanal com o secretário especial da Receita Federal substituto, José de Assis Ferraz Neto;

- Reunião com o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni;

- Reunião semanal com o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, Salim Mattar.

Com Reuters.