PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado nesta segunda-feira

14/10/2019 07h09

Os mercados devem abrir em baixa depois que os investidores analisaram de maneira mais sóbria o acordo comercial provisório firmado entre EUA e China no final da semana passada, enquanto o Brexit do Reino Unido deve ter um novo revés e ativos turcos caem depois que os EUA e a União Europeia ameaçam sanções.

Enquanto isso, relatos dizem que o Softbank deve assumir o controle da empresa dona da WeWork, rede de escritórios compartilhados, para interromper a hemorragia de dinheiro na companhia.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros nesta segunda-feira, 14 de outubro.

1. Euforia com ações diminui

Os futuros dos EUA estão indicados para abrir a semana em baixa, decepcionados com o fato de o conteúdo do acordo comercial provisório de sexta-feira entre os EUA e a China ficar aquém do hype criado pela Casa Branca.

Às 8h10, o futuros do Dow Jones caíam 84 pontos, ou 0,31%, enquanto os S&P 500 futuros caíam 0,34% e os futuros Nasdaq 100 caíam 0,42%.

Tanto a Bolsa de Valores de Nova York quanto a NASDAQ abrirão para negociação hoje, apesar do feriado do Dia de Colombo. A Associação da Indústria de Valores Mobiliários e Mercados Financeiros, por outro lado, recomendou que o mercado de títulos ficasse fechado.

2. A economia da China ainda está desacelerando

Os mercados asiáticos se recuperaram com alívio dos resultados das negociações comerciais EUA-China no final da semana passada, mas os dados concretos continuaram mostrando a extensão dos problemas na China.

As exportações chinesas caíam no nível mais acentuado desde março em setembro. Elas caíram 3,2% no ano. As importações caíram ainda mais, 8,2% igualando a pior queda desde 2016.

Havia mais evidências da luta da economia chinesa: uma queda anual de 5,2% nas vendas de carros, o 15º declínio mensal consecutivo. Até as vendas de veículos com energia nova - carros que são total ou parcialmente movidos a eletricidade - caíam pelo terceiro mês consecutivo. Isso se deve em grande parte à eliminação gradual dos subsídios para a compra de carros elétricos.

Em um dia suave em relação aos dados, a produção industrial da zona do euro caiu 2,8%, abaixo do esperado em agosto, apesar de uma recuperação mensal de 0,4%.

3. Softbank está pronto para assumir a WeWork

O Softbank está em negociações para assumir o controle da empresa dona da WeWork, de acordo com The Wall Street Journal e o Financial Times. O objetivo do gigante fundo global de venture capital é de recapitalizar a empresa, que teve uma avaliação nitidamente mais baixa do que a que estava buscando em seu IPO no mês passado.

Os jornais informaram que o Softbank também está alinhando bilhões de dólares em novas dívidas do JPMorgan. Ambos os relatórios informaram que um acordo não era garantido e o FT observou que, se não for possível obter dinheiro novo, poderão ser necessários processos de falência. O WSJ observou que a We Co., o maior inquilino comercial em alguns mercados imobiliários urbanos, precisa de US$ 3 bilhões no próximo ano.

O Softbank já é o maior acionista externo da We Co., tendo investido mais de US$ 10 bilhões na empresa diretamente e através de seu Vision Fund, apoiado pela Arábia Saudita.

4. Ativos turcos estão sob ameaça de sanções

A lira turca e os mercados locais de ações e títulos caíam acentuadamente depois que os EUA e a UE alertaram para a possibilidade de impor sanções econômicas ao país se este continuar suas operações militares em áreas curdas da Síria.

O dólar subia para 5,9225 liras, a maior desde junho, depois de um fim de semana repleto de relatos das atrocidades cometidas e fugas de prisioneiros do Estado Islâmico, cujos guardas curdos foram remanejados para combater unidades turcas.

O presidente Recep Tayyip Erdogan contou com o significativo valor geopolítico da Turquia para desafiar a pressão do Ocidente: ele ameaçou reacender a crise dos migrantes na Europa enviando 3,6 milhões de refugiados sírios para o oeste, enquanto também ameaçava um grande realinhamento de segurança comprando novos equipamentos de defesa antimísseis da Rússia, ao invés dos seus aliados da OTAN.

5. "Não é bom o suficiente": a UE diz ao Reino Unido sobre os planos do Brexit

A libra britânica recuava após seu maior rali diário em mais de dois anos, depois que o principal negociador da UE Michel Barnier disse a diplomatas que as últimas propostas do Reino Unido de resolver o capítulo da fronteira irlandesa das negociações do Brexit eram impraticáveis.

A reação da UE significa que é praticamente impossível fechar um acordo de retirada juridicamente viável na cúpula prevista para o final desta semana. Assim, o primeiro-ministro Boris Johnson será forçado por uma lei aprovada recentemente a pedir à UE uma nova extensão do prazo para o Brexit em 31 de outubro.

O presidente da Comissão da UE, Jean-Claude Juncker, disse a um jornal austríaco no fim de semana que seria "contra a história" não atender a esse pedido.

PUBLICIDADE