PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado nesta terça-feira

15/10/2019 07h22

A temporada de ganhos chega com o JPMorgan, Goldman Sachs, Citi e Wells Fargo, todos os divulgando o balanço antes da abertura do pregão. Enquanto isso, os mercados asiático e europeu recebem um impulso de algumas informações mais positivas de Pequim e Bruxelas, enquanto os mercados financeiros da Turquia evitam a "destruição" das sanções do presidente Trump. Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na terça-feira, 15 de outubro.

1. Uma enxurrada de ganhos bancários

A temporada de ganhos do terceiro trimestre começa com os grandes bancos de Wall Street divulgando seus números. O JPMorgan Chase (NYSE:JPM), o Citigroup (NYSE:C), o Wells Fargo e o Goldman Sachs devem divulgar o balanço antes do sino de abertura.

O Charles Schwab (NYSE:SCHW) e o Blackrock (NYSE:BLK), enquanto isso, também reportarão, apenas uma semana depois que as maiores corretoras de varejo dos EUA entraram em uma corrida de cortes de preço, reduzindo a zero as comissões da maioria das operações em instrumentos financeiros dos EUA.

A Johnson&Johnson (NYSE:JNJ) e a UnitedHealth (NYSE:UNH) também devem divulgar sua números.

2. Economia chinesa e europeia ainda tropeçam

A economia da China continuou em dificuldades, com novos dados mostrando os preços ao produtor caindo 1,2% no ano em setembro. Essa é a maior queda desde 2016 e mais uma indicação de que as fábricas estão sendo afetadas pela disputa comercial do país com os EUA. Os preços ao consumidor aumentaram em sua maior taxa em seis anos, graças em grande parte à escassez contínua de carne de porco devido à epidemia de gripe asiática suína.

Pequim instruiu seu banco central a manter crédito para as empresas terem fluxo para lidar com a desaceleração. O financiamento social total, a maior medida de crédito do país, aumentou muito mais rapidamente do que as expectativas em setembro, e os empréstimos em iuan subiam 12,5% no ano.

Enquanto isso, na Europa, as preocupações com o Brexit finalmente alcançaram o mercado de trabalho do Reino Unido, fazendo com que a geração do emprego caísse 56.000 nos três meses até agosto. O crescimento médio dos salários (incluindo bônus) também diminuiu de uma máxima de vários anos. O índice ZEW da Alemanha, o primeiro grande indicador de sentimento do mês fora da Europa, caiu menos do que o esperado, embora o subíndice dos componentes atuais tenha atingido seu nível mais baixo desde 2010.

3. Ações indicam abertura em alta

As bolsas de valores dos EUA estão indicadas para alta antes das imagens iniciais de uma temporada de lucros, que deverá ver a maioria das empresas declarar lucros decrescentes em termos anuais.

Às 7h15 da manhã, os futuros do Dow l subiam 89 pontos ou 0,3%, enquanto os S&P 500 futuros e os futuros do Nasdaq 100 também subiam 0,3%.

Os mercados asiáticos e europeus foram apoiados pela confirmação da China de que o aperto de mãos de sexta-feira sobre o acordo de comércio com os EUA está correto, enquanto os mercados europeus também se beneficiaram de comentários do principal negociador da União Europeia do Brexit, Michel Barnier, que afirmou que um acordo para evitar uma o Brexit desordenado na cúpula desta semana com o Reino Unido ainda era possível, mesmo que difícil.

4. Mercados turcos se recuperam após sanções leves

Os mercados cambiais, de ações e de títulos da Turquia saltaram depois que o presidente Donald Trump não cumpriu as ameaças de "destruir" sua economia com sanções, se o país saísse da linha na Síria.

Os EUA dobraram as tarifas sobre importações de aço da Turquia para 50% e aplicaram sanções a várias autoridades turcas, incluindo os ministros da defesa, energia e interior, bem como os departamentos de defesa e energia do governo turco.

A lira se fortalecia até 1% antes de reduzir os ganhos para 0,2%, sendo negociada a 5,9142 por dólar a partir das 11h48 (horário de Istambul). O principal índice de ações da Turquia subia 1,5%. Os ganhos, no entanto, devem ser apenas parcialmente perdidos, em antecipação às medidas dos EUA.

A administração dos EUA está pedindo um cessar-fogo na Síria, dado o risco aumentado de confrontos diretos entre as forças turcas e as do presidente Assad, que se reconciliou temporariamente com os rebeldes curdos atacados por Ancara.

5. A chance de Warren de consolidar sua candidatura

Os candidatos presidenciais democratas realizam seu último debate televisionado às 21h de segunda. Foi uma oportunidade para a senadora Elizabeth Warren consolidar seus recentes ganhos nas pesquisas sobre o ex-vice-presidente Joe Biden e Bernie Sanders, rival dela à esquerda do partido.

Biden teria alertado outros candidatos contra as acusações do presidente Trump de ter feito algo errado para beneficiar seu filho Hunter Biden, que nesta semana disse que não atuaria mais nos conselhos de nenhuma empresa estrangeira.

Segundo The New York Times, a liderança de Biden sobre Warren diminuiu para 3 pontos. Warren agora saltou para o segundo lugar, com uma média de 23%, em comparação com os 26% de Biden e os 16% de Sanders.