PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado nesta quarta-feira

16/10/2019 08h32

Bank of America (NYSE:BAC) lidera um desfile da temporada de balanço em Wall Street nesta quarta-feira, depois que o JPMorgan (NYSE:JPM) se destacou entre os resultados medíocres de terça-feira. Atacadistas de medicamentos estão negociando um acordo de US$ 18 bilhões em relação aos processos de venda de opiáceos, enquanto o esperado acordo do Brexit atingiu um obstáculo. Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros nesta quarta-feira, 16 de outubro.

1. Resultados do BofA entre os destaques

A temporada de ganhos continua com resultados do Bank of America (NYSE:BAC) e de alguns dos maiores bancos de segunda linha (US Bancorp (NYSE:USB), PNC Financial (NYSE:PNC), Bank of New York Mellon (NYSE:NYSE:BK) ), cuja atuação está mais ligada à dinâmica da economia dos EUA do que seus pares de Wall Street. O sangue azul divulgou uma bolsa mista na terça-feira, com apenas o JPMorgan (NYSE:JPM) realmente se distinguindo.

O Abbott Labs (NYSE:ABT) também apresentará balanço antes da abertura e terá um patamar mais difícil de seguir, depois que a UnitedHealth (NYSE:UNH) e a J&J registraram números fortes.

Após o fechamento, será a vez da Netflix (NASDAQ:NASDAQ:NFLX) e da IBM (NYSE:NYSE:IBM), enquanto a CSX (NASDAQ:CSX) e a Kinder Morgan (NYSE:NYSE:KMI) serão atualizadas no momento em que o mercado para sua principal commodity, o petróleo bruto, está dando uma virada séria para baixo.

2. Acordo gigantesco sobre opiáceos toma forma

Três dos maiores distribuidores de medicamentos no centro do escândalo dos opióides - McKesson (NYSE:MCK), AmerisourceBergen (NYSE:ABC) e Cardinal Health (NYSE:CAH) - estão em negociações para resolver os vários processos legais contra eles por um total de cerca de US$ 18 bilhões, segundo o The Wall Street Journal (WSJ).

O WSJ diz que os pagamentos serão feitos em 18 anos. Ele acrescentou que a Johnson&Johnson também entraria com alguns fundos adicionais após seus acordos históricos no mês passado.

Se concluído, o acordo seria o primeiro a alcançar uma ampla resolução dos processos dos opióides além da falência. A Purdue Pharma, fabricante da OxyContin, entrou com pedido de falência após suas tentativas de efetuar um acordo entre US$ 10 e US$ 12 bilhões.

3. Ações indicam abertura em baixa antes dos principais dados de vendas no varejo

As ações dos EUA devem abrir mais baixas em meio a dúvidas persistentes sobre a força do tão aguardado acordo de "fase 1" dos EUA para diminuir a disputa comercial com a China e relatos de um súbito "obstáculo" no caminho para um acordo no Brexit (veja abaixo) entre a UE e o Reino Unido. O mercado tem a chance de receber um impulso às 9h30 com a publicação de dados de vendas no varejo em setembro. As vendas no varejo principal devem subir 0,2% após estagnar em agosto.

Às 7h, os contratos futuros do Dow caíam 61 pontos ou 0,2%, os contratos futuros da S&P 500 e da Nasdaq caíam em um percentual semelhante.

A United Airlines deve se recuperar depois de superar as previsões de ganhos e elevar suas perspectivas para o ano em pouco mais de 4%, quando divulgou seus números após o fechamento na terça-feira. O Tradeweb Markets, que fizeram IPO no início deste ano, também bateram o consenso, mas ainda caíam um pouco nas negociações fora do horário comercial.

4. Acordo do Brexit atinge impasse

A libra esterlina e o mercado de ações vacilaram quando os negociadores estavam próximos de um acordo para evitar um Brexit desordenado em 31 de outubro.

A libra caía mais de meio por cento em relação ao dólar e ao euro na manhã desta quarta-feira, com sinais crescentes de que o primeiro-ministro Boris Johnson lutará para obter apoio para suas propostas de defensores eurocéticos e do Partido Sindicalista Democrático da Irlanda do Norte. Johnson precisa dessas duas facções para obter a maioria em Westminster para o seu acordo.

O FTSE 250, que é mais focado no Reino Unido do que o índice de referência FTSE 100, foi o com pior desempenho de mercadona Europa às 7h, perdendo 1%.

5. Estoques de petróleo devem ser divulgados

Espera-se que os estoques de petróleo dos EUA continuem uma série de aumentos (principalmente ditados por sazonalidade) na semana passada. O American Petroleum Institute divulgará seu relatório semanal sobre estoques de petróleo às 17h30, um dia depois do habitual devido ao feriado do Dia de Colombo.

O governo também divulgará seu relatório semanal sobre o fornecimento doméstico de petróleo na quinta-feira. Os analistas esperam um crescimento de 2,77 milhões de barris em estoques de petróleo depois de um aumento de 2,91 milhões de barris na semana passada.

Os preços do petróleo caíam nas últimas sessões, em meio a temores pela demanda global. O Fundo Monetário Internacional reduziu na terça-feira sua previsão de produto interno bruto para a economia mundial para 3% este ano, o mais fraco desde 2009, e para 3,4% no próximo ano. Às 7h (horário de Brasília), os contratos futuros de petróleo subiam 0,3%, a US$ 52,98 por barril, enquanto o Brent subia 0,1%, a US$ 58,84.