PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

StockBeat: Às vezes você tem a dizer Renault, Nault, Nault

18/10/2019 06h30

Por Geoffrey Smith

O setor automotivo da Europa despencou na sexta-feira depois que a Renault (PA:RENA) da França cortou suas perspectivas para 2019, citando a fraqueza da economia europeia e o custo da introdução de motores mais limpos.

As ações da Renault caíam 15%, antes de se recuperar um pouco para serem negociadas a 12,1% às 6h30 (horário de Brasília), depois que a CEO em exercício Clotilde Delbos indicou que a receita chegaria este ano a 1 bilhão de euros sob orientação prévia, com operações de lucros atingindo cerca de 600 milhões.

A empresa agora vê as vendas caírem até 4% este ano, em vez de permanecer praticamente estável. Sob a nova orientação, o fluxo de caixa livre deste ano deve ser de cerca de -700 milhões de euros, algo que pode prejudicar a classificação de crédito da empresa (embora Delbos, que também atua como diretora financeira, tenha minimizado as sugestões de um rebaixamento nas negociações numa análise rápida de especialistas na quinta-feira).

As notícias eliminaram todos os ganhos da Renault no ano e colocaram-na firmemente no final do CAC 40 (que também teve más notícias da Danone, Remy Cointreau e Thales para digerir). Também derrubou as rivais Fiat Chrysler, Peugeot e Volkswagen (DE:VOWG_p).

As razões são deprimente familiares:a empresa é fortemente dependente da Europa, onde suas vendas foram atingidas não apenas pela fraqueza macroeconômica, mas também pela introdução de padrões mais rígidos de emissões, que a forçaram a investir mais em motores mais limpos.

A Renault foi uma convertida tardia, relutante e não particularmente distinta da tecnologia diesel agora amplamente desacreditada, em um continente onde mais de 400.000 vidas foram encurtadas pela poluição do ar em 2016, de acordo com pesquisa da UE publicada no início desta semana.

Os desenvolvimentos são outro lembrete dos desafios existenciais que a indústria automobilística europeia enfrenta em geral e a Renault em particular, dada a forma como sua aliança com a Nissan se desgastou nos últimos 12 meses. Eles acontecem apenas uma semana após a saída do executivo-chefe Thierry Bollore, com o objetivo de restaurar um relacionamento do qual a Renault depende para seus resultados.

Como muitos outros no setor, a Renault ficará aliviada se o Reino Unido puder deixar a UE sem causar mais danos à economia europeia. No entanto, os números de quinta-feira sugerem que a Renault precisará de muito mais do que um Brexit tranquilo para se virar.