PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado nesta segunda-feira

21/10/2019 08h25

Um fim de semana anticlimático para o Brexit, conversas mais felizes sobre a disputa comercial EUA-China e algumas conversas decididamente menos felizes dos reguladores sobre o 737 MAX da Boeing e do projeto Libra do Facebook.

Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros na segunda-feira, 21 de outubro.

1. EUA e China discutem chances de acordo comercial provisório

Autoridades dos EUA e da China continuaram fazendo declarações encorajadores sobre a perspectiva de fechar uma trégua comercial provisória até meados de novembro, para aliviar a ampla disputa dos dois países.

O presidente Trump expressou confiança de que o chamado acordo de "fase 1" que interrompe a introdução de tarifas adicionais e faz a China se comprometer a comprar cerca de US$ 50 bilhões por ano em produtos agrícolas dos EUA estará pronto para ser assinado quando ele e seu colega Xi Jinping se encontrarem na cúpula dos líderes do G20 no próximo mês.

Separadamente, o principal negociador comercial da China, Liu He, disse em um raro discurso público que foram feitos "progressos substanciais" e acrescentou que "interromper a escalada da guerra comercial beneficia a China, os EUA e o mundo inteiro. É o que tanto produtores quanto consumidores esperam."

2. Johnson solicita adiamento de prazo do Brexit

Aqueles que aguardam uma resolução para o drama do Brexit terão que esperar mais alguns dias. O governo do primeiro-ministro Boris Johnson retirou-se de uma votação significativa sobre o acordo que ele trouxe de Bruxelas quando a Câmara dos Comuns se reuniu no sábado, aparentemente preocupada com o fato de os parlamentares da oposição vincularem exigências desagradáveis ??a ele na forma de emendas.

Johnson, que não tem maioria na Câmara dos Comuns, foi forçado a solicitar uma prorrogação do prazo do Brexit de 31 de outubro da UE, que parece mais provável do que não ser concedido (ele não assinou a carta, ele mesmo escreveu uma carta lateral distanciando-se da carta oficial). Isso efetivamente elimina a chance de um cenário desordenado sem acordo em 1º de novembro. Embora deixe sem resposta as perguntas de longo prazo sobre o resultado do Brexit, foi suficiente para apoiar a libra esterlina e fazer com que o dinheiro saísse dos títulos do governo do Reino Unido nesta manhã.

3. Ações devem abrir em alta

Os mercados de ações dos EUA devem abrir um pouco mais altos sob a influência dos dois fatores acima, embora ainda dentro de suas faixas recentes e sem um catalisador doméstico óbvio nesta segunda-feira.

Às 7h, os futuros da Dow subiam 37 pontos ou 0,1%, subindo apenas ligeiramente após as perdas na sexta-feira causadas em grande parte pela Boeing (veja abaixo). O S&P 500 futuros subia 6 pontos ou 0,2% e o Nasdaq 100 subia um pouco mais impressionantes 0,3%.

Na frente dos lucros, a Halliburton estará em foco após o massacre anunciado na sexta-feira pelo gigante rival dos serviços petrolíferos Schlumberger. Também pode interessar a TD Ameritrade, que atualizará suas perspectivas no meio de uma guerra de preços cada vez mais intensa com outras corretoras.

4. FAA exige respostas em mensagens do 737 MAX

A Agência Federal de Aviação exigiu uma explicação "imediata" da Boeing sobre uma troca de mensagens por pilotos de teste em 2016, mostrando preocupações sobre o software de controle de voo que foi responsabilizado por dois acidentes fatais desde então.

"Entendemos inteiramente o questionamento que esse assunto está recebendo e estamos comprometidos em trabalhar com as autoridades investigativas e o Congresso dos EUA enquanto continuam suas investigações", disse a Boeing (NYSE:BA) em comunicado após uma reunião do conselho no domingo.

As ações da Boeing haviam caído mais de 6,5% na sexta-feira, quando o diálogo na qual um piloto de testes sênior reclama de uma ação "flagrante" do chamado software MCAS, tornou-se público. O incidente aumenta as suspeitas de que as pressões de produção levaram a Boeing a comprometer sua cultura de segurança - suspeitas que levaram a Boeing a retirar o CEO Dennis Muilenburg de suas responsabilidades como presidente na semana passada.

5. Hora de recaLIBRAr?

O Facebook parece que se afastaou de sua visão de lançar uma moeda digital global após um relatório altamente cético dos reguladores globais.

David Marcus, o executivo que está coordenando a iniciativa Libra do Facebook com outros 20 parceiros, disse em um fórum no fim de semana que a empresa estava aberta para criar uma série de "stablecoins" com apoio nacional e não o sistema de pagamentos únicos apoiado por uma cesta de moedas já existentes.

Sete das 28 empresas originais que apoiavam o projeto Libra desistiram no início deste mês, após pressão dos órgãos reguladores dos EUA e da Europa. Um relatório do G7 publicado na sexta-feira alertou que o projeto, como planejado, representava ameaças potenciais ao sistema monetário internacional, além de suscitar importantes preocupações antitruste e de privacidade de dados.