PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Draghi não se arrepende dos cortes de taxa e reinício do QE

24/10/2019 09h54

O ex-presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, deixou o cargo com uma nota desafiadora nesta quinta-feira, rejeitando críticas a sua política de taxas de juros negativas e sua insistência em retomar compras definitivas de títulos do governo a partir do próximo mês.

"As melhorias na economia mais do que compensaram os efeitos colaterais negativos" no sistema financeiro, disse Draghi em sua entrevista coletiva regular.

Ele acrescentou que não estava demasiadamente preocupado com a dissidência contra o pacote multifacetado de medidas de flexibilização de setembro.

"Eu encaro isso como parte integrante do debate e discussões em andamento", disse Draghi.

A decisão de reiniciar a flexibilização quantitativa havia sido atacada publicamente pelos governadores dos bancos centrais da Alemanha, França e Holanda após a reunião do mês passado. Esses países representam mais da metade da economia da zona do euro. A medida também foi atacada em uma carta pública de vários ex-altos funcionários do banco central, que acusaram o banco de violar o tratado da UE ao financiar os déficits em andamento dos governos da zona do euro.

O BCE anunciou anteriormente que havia deixado todas as suas principais taxas de juros inalteradas em sua reunião regular do conselho de governo, como amplamente esperado.

O euro permaneceu inalterado em relação ao dólar às 10h50.