PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Petróleo e Ouro - Resumo e a agenda do mercado de commodities para a semana

27/10/2019 08h37

Por Barani Krishnan

Os preços do petróleo estão em uma inflexão em que podemos ver uma nova disparada ainda maior?

Ou será mais do mesmo? Ou seja, uma escorregada de volta ao intervalo anterior de US$ 50 a US$ 53 por barril para o WTI e de US$ 55 a US$ 58 para o Brent.

Em qualquer situação de mercado em que o ruído oculte os detalhes, é preciso voltar ao básico.

Agora, o básico sugere que, no auge da guerra comercial, os problemas do Brexit e as preocupações de uma recessão global, o único verdadeiro indicador da demanda de fornecimento de petróleo em tempo real são os dados semanais do EIA.

Nas últimas seis semanas, o conjunto de dados da Administração de Informações Energéticas (EIA, na sigla em inglês) foi mais incomum devido à atividade anêmica nas refinarias. Depois que o estoque bruto cresceu por cinco semanas consecutivas, um surpreendente número surgiu na semana passada afastando os ursos e trazendo os touros de volta.

Aguardamos o que os dados de EIA da próxima semana trarão - embora sem um retorno dramático da atividade das refinarias, mais fluxo de dados/mercado pareça certo, tornando a cotação de preços ainda mais difícil.

Enquanto isso, o ouro poderia ter uma posição mais segura na posição de US$ 1.500 até a decisão da política do Fed de quarta-feira, onde outro corte de taxa de quarto de ponto é esperado.

Retrospectiva de energia

Após uma alta no meio da semana, o avanço do petróleo desacelerou na sexta-feira, levantando questões sobre o quanto o ritmo ascendente se manterá na próxima semana.

O West Texas Intermediate, o ponto de referência para o petróleo negociado em Nova York, e o Brent, em Londres, o indicador global de petróleo, foram negociados na sexta-feira com queda de 1% cada depois de passar a maior parte do dia com poucas mudanças significativas.

Ambas as referências tiveram um desempenho animador no início da semana em dados que mostram forte consumo de petróleo nos EUA.

Na semana, WTI terminou com um ganho de 5,4%, atingindo uma alta de 3 semanas em US$ 56,72. O Brent registrou um avanço semanal de 4,4%, atingindo uma alta de três semanas em US$ 62,09.

O petróleo passou por tristes negociações até a EIA surpreender o mercado na quarta-feira, anunciando uma queda de 1,7 milhão de barris nos estoques domésticos de petróleo bruto, em comparação com as expectativas dos analistas de um aumento de 2,2 milhões de barris.

A EIA também relatou quedas acentuadas nos estoques de combustível, como gasolina e destilados, nas últimas semanas, à medida que as taxas de produção das refinarias caíram para níveis abissalmente baixos em meio a longos fechamentos de unidades para atender aos novos padrões de processamento de combustível marítimo.

Outro fator que apoiou os preços do petróleo na semana passada foi uma reportagem da Reuters sugerindo a probabilidade da próxima reunião da Opep em dezembro, considerar cortes mais profundos do que os 1,2 milhão de barris por dia acordados pelo cartel e seu principal aliado Rússia há quase um ano.

No entanto, com pelo menos seis semanas para a reunião da Opep, qualquer conversa sobre cortes de produção neste momento é mais impressionante do que qualquer outra coisa.

Com um potencial aumento nos problemas do Brexit e outros dados globais preocupantes, o petróleo pode ter elementos mais significativos na próxima semana.

"Embora pudéssemos ver os preços subirem ainda mais, sinto que os macro eventos globais determinarão o próximo movimento no petróleo, se o EIA não o fizer, e poderemos continuar na faixa vinculada novamente", disse Tariq Zahir, membro gerente do petróleo Tyche Capital Advisors, focada em Nova York.

Calendário de energia

Segunda-feira, 28 de agosto

Estimativas de estoque de petróleo bruto de Genscape Cushing (dados privados)

Terça-feira, 29 de agosto

Relatório semanal do Instituto Americano de Petróleo sobre estoques de petróleo.

Quarta-feira, 30 de agosto

Relatório semanal da EIA sobre estoques de petróleo

Quinta-feira, 31 de agosto

{{ecl-386||Relatório semanal gás natural da EIA

Sexta-feira, 1 de novembro

Baker Hughes contagem semanal de plataformas de petróleo.

Retrospectiva de Metais Preciosos

Os futuros de ouro dos EUA e ouro spot retornaram a US$ 1.500 na quinta-feira e avançaram modestamente nesse faixa no final da semana, duas semanas após a queda.

O ouro subiu cerca de 17% no ano, emergindo como um dos melhores desempenhos entre as commodities em 2019, com os investidores buscando o porto seguro em meio a desvalorizações cambiais, temores de recessão, incerteza Brent e outras tensões envolvendo China e Irã.

Ainda são fortes as expectativas de que a decisão política do Fed de 29 a 30 de outubro traga um terceiro corte direto do ano e que possa manter o ouro acima de US$ 1.500 pelo menos até quarta-feira.

Ainda assim, a ferramenta de monitoramento da taxa do Fed do Investing.com mostrou uma chance de apenas 91% para uma flexibilização de um quarto de ponto na sexta-feira comparado com uma alta de 95% na quinta-feira. Portanto, resta saber se o banco central conseguirá fazer a surpresa final desta vez, mantendo a taxa.

Se o Fed resistir a uma alta, haverá dúvidas sobre se o ouro terminará o ano em US$ 1.600 ou mais, como alguns previram.