PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

StockBeat: HSBC se prepara para encolher; LVMH de olho na Tiffany's

28/10/2019 06h12

Por Geoffrey Smith

As ações do HSBC caíam ficando no ponto mais baixo do FTSE 100 nesta segunda-feira, depois que um terrível relatório de lucros do terceiro trimestre lançou mais luz sobre os problemas estratégicos do banco - e preparou os investidores para grandes cortes de empregos e encargos de reestruturação em os próximos meses.

O lucro líquido caiu 24% e a receita caiu 3% no ano nos três meses encerrados em setembro, levando o CEO interino Noel Quinn a abandonar a meta de rentabilidade do banco para o próximo ano, apesar de ter parado de cortar o dividendo e ter dito o nível de ações ordinárias alvo 1 razão de capital - uma medida-chave da força financeira - permanecerá inalterada em mais de 14%.

Os problemas do banco já foram bem sinalizados pela saída não programada de John Flint como CEO no início deste ano, seguidos de relatórios não confirmados de planos para cortar até 10.000 empregos no início deste mês. As áreas destacadas por Quinn na divulgação de resultados são exatamente as mencionadas nos relatórios anteriores: as operações nos EUA, a operação de banco de atacado no Reino Unido e as operações de varejo na Europa continental.

"Nossos planos anteriores não são mais suficientes para melhorar o desempenho desses negócios, dada a perspectiva mais leve de crescimento da receita", disse Quinn.

O banco agora espera encargos de reestruturação "substanciais" que o impedirão de atingir um retorno sobre o patrimônio tangível de 11% no próximo ano (um 3Tri fraco significava que o RoTE caía para 9,5% nos primeiros nove meses deste ano. No Bloomberg mais tarde, o diretor financeiro Ewen Stevenson se recusou a dizer quanto tempo levaria para atingir a marca de 11%.

As ações perdiam 3,4% para o menor nível em quase dois meses, arrastando o FTSE do Reino Unido para baixo em 0,3%. O Euro Stoxx 600 caía 0,2%, enquanto um forte desempenho do setor automotivo permitiu ao índice alemão DAX avançar um pouco mais.

Em outros lugares, a LVMH subia 0,4% depois de confirmar que havia feito uma oferta à Tiffany, uma medida que aumentaria sua presença no "luxo pesado" e também fortaleceria sua presença nos EUA. O Financial Times informou que a Tiffany deve rejeitar a oferta não solicitada de US$ 14,5 bilhões, cerca de 30% acima do preço das ações da joalheria quando foi feita no início de outubro. Mesmo a esse preço, porém, ele representa um lucro muito menor do que o que a LVMH pagou pela Bulgari em sua primeira incursão no segmento de jóias há sete anos.