PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Consumo forte mantém PIB do 3º tri dos EUA crescendo em 1,9%; Investimento cai

30/10/2019 12h16

A economia dos EUA cresceu mais rapidamente do que o esperado no terceiro trimestre, com um mercado de trabalho forte apoiando os gastos dos consumidores. Mas o investimento empresarial caiu drasticamente sob a sombra da guerra comercial EUA-China.

O Produto Interno Bruto cresceu a uma taxa anual de 1,9% nos três meses até setembro, informou o Departamento de Comércio em sua estimativa inicial na quarta-feira.

Os números foram divulgados apenas algumas horas antes do que se espera ser a redução das taxas de juros do Federal Reserve pela terceira vez este ano. Embora a taxa básica possa sugerir menos necessidade de corte, Dean Baker, economista sênior do Centro de Pesquisa Econômica e Política, observou que os componentes de preços do relatório do PIB ainda estavam dentro da zona de conforto do Fed para a inflação.

Os mercados de ações e títulos dos EUA foram pouco alterados pelos dados, sugerindo que os números não vão mudar as expectativas do que o Fed fará. O índice dólar permaneceu efetivamente inalterado em 97,447.

Os gastos principais com consumo pessoal, os índices preferidos para inflação do Fed, subiam apenas 1,7% no ano passado, "ainda bem abaixo da meta de 2,0% do Fed", disse Baker. Ele também observou que a taxa de poupança, de 8,1%, oferece alguma garantia de que o consumo forte não está sendo financiado por um aumento insustentável dos empréstimos.

Isso superou as previsões de crescimento de 1,6% dos economistas, embora tenha caído de 2,0% no trimestre anterior.

Numa comparação semelhante, o PIB do terceiro trimestre aumentou 2,0% em relação ao ano anterior, a taxa mais fraca desde o último trimestre de 2016.

Isso refletiu, em grande parte, uma queda acentuada no investimento empresarial. O investimento não residencial caiu em 3,0% ao ano no trimestre, informou o Departamento de Comércio. Até a força nos gastos dos consumidores foi relativa: seu crescimento desacelerou para 2,9%, ante 4,6% no segundo trimestre.

A economia dos EUA não cresce a uma taxa anual abaixo de 2% há quase três anos, com exceção do quarto trimestre de 2018. A contratação e os gastos do consumidor aumentaram, pois os cortes de impostos no ano passado provocaram um aumento no crescimento.

Jeroen Blokland, economista do gerente de ativos Robeco, disse que a economia desacelerou para uma taxa "aproximadamente igual ao crescimento potencial, abaixo dos 3% em 2018, quando a economia estava usando os #esteróides dos tributos".