PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Stockbeat: Violência em Hong Kong atinge o HSBC

11/11/2019 09h50

A escalada da violência em Hong Kong neste final de semana assombrou sobre as bolsas de valores europeias nesta segunda-feira, reforçando um movimento de risco que já estava em andamento graças a comentários dos EUA minimizando as chances de um redução mútua das tarifas de importação com a China.

Às 6h15 (horáriode Brasília), parecia que o revés no comércio contava mais do que o uso de munição real pela polícia contra manifestantes: os estoques de mineração no FTSE 100 perderam entre 2% e 3,2%, enquanto as marcas de luxo ocidental para os quais as vendas de varejo de Hong Kong são tão importantes caíam, principalmente, em menos de 1%.

Antofagasta (LON: LON:ANTO), Glencore (LON: LON:GLEN), Rio Tinto (LON: LON:RIO) e Anglo American (LON: LON:AAL) foram todas inferiores em mais de 2%, assim como a BHP Billiton (LON: BHPB), que parecia não obtiveram nenhum benefício ao declarar seu compromisso com a produção de petróleo pelas próximas duas décadas, quando é cada vez mais pressionado pelos acionistas ativistas a reduzir sua exposição ao risco das mudanças climáticas.

A violência em Hong Kong teve mais efeito sobre as ações listadas no Reino Unido do que sobre outras que foram expostas logicamente ao mesmo risco. O HSBC (LON: HSBA) e o Standard Chartered (LON: LON:STAN) caíram 2,4% e 2,0%, respectivamente, enquanto a Burberry (LON: LON:{{6611|BRBRBY) foi o maior perdedor entre as marcas de luxo da Europa, caindo 2,4%.

Por outro lado, a Hermes International (PA: HRMS) e as duas grandes casas de bebidas francesas Remy Cointreau (PA: RCOP) e Pernod Ricard (PA: PA:PERP) estavam todas em território positivo - este último como resultado do aumento das esperanças de que as tarifas dos EUA não se materializassem. Até o proprietário da Cartier, Richemont (SIX: CFR), que na semana passada reportou um grande impacto nas vendas trimestrais devido a situação em Hong Kong, caía apenas 1,4%.

O LVMH (PA: LVMH) e o proprietário da Gucci Kering (PA: PA:PRTP) caíam menos de 1%.

Em termos mais gerais, o índice de referência Euro Stoxx 600 caía 0,2% em 404,48, enquanto o Reino Unido FTSE 100 teve um desempenho inferior com uma perda de 0,6% e o DAX alemão caiu 0,4%. O IBEX 35 da Espanha também caía 0,3% após a quarta eleição em tantos anos que falhou novamente em produzir um caminho claro para um governo majoritário. Ações do banco Santander (SA:SANB11) (MC: SAN), Caixabank (MC: CABK) e BBVA (MC: MC:BBVA) estavam entre os maiores perdedores.

O aumento da violência já havia reduzido o índice de ações Hang Seng em 2,6%, a maior queda em um dia em três meses, com as ações de imóveis entre os mais atingidos. A volatilidade ali ameaça afetar a avaliação que o Alibaba (NYSE: BABA) poderia receber em sua oferta secundária de US $ 10 a US $ 15 bilhões.

Mais relevante para os investidores ocidentais, a violência ameaça complicar as negociações comerciais entre os EUA e a China, pois qualquer sinal de repressão violenta tornaria mais difícil para os EUA fazer concessões comerciais sem prejudicar sua auto-imagem como líder do mundo livre. Tanto o presidente Donald Trump quanto o secretário de Comércio Wilbur Ross apontaram Hong Kong como um dos fatores que influenciam seu pensamento na disputa comercial.