PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Ações da Cosan caem mais de 5% após lucro subir 166%, abaixo do consenso no 3T19

12/11/2019 11h25

Depois de anunciar que registrou lucro líquido ajustado de R$ 460,8 milhões no terceiro trimestre, alta de 166,5% ante o mesmo período do ano passado, as ações da Cosan (SA:CSAN3) operam com perdas expressivas pelo resultado vir abaixo da expectativa do mercado de R$ 531 milhões, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Desta forma, por volta das 12h21, os papéis perdiam 5,02% a R$ 57,55.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado entre julho e setembro somou R$ 1,564 bilhão, ante R$ 1,2 bilhão no terceiro trimestre de 2018.

O lucro foi resultado principalmente dos melhores resultados operacionais da distribuidora de gás Comgás (SA:CGAS5) e da Raízen Energia.

A Raízen Energia, que atua na produção de açúcar e etanol e cogeração de energia e integra a joint venture da Cosan (SA:CSAN3) com a Shell, registrou maior volume de venda de etanol próprio com preços de venda superiores ao mesmo período do ano passado, além do melhor preço realizado de açúcar. Esses efeitos foram parcialmente compensados pelo menor volume de açúcar vendido, em linha com a estratégia de comercialização da safra.

A moagem de cana da Raízen no terceiro trimestre totalizou 26,7 milhões de toneladas (+10%), com recuperação de 4% na produtividade do canavial, compensando o atraso do início da safra 2019/20, disse a Cosan (SA:CSAN3), que estimou a moagem de cana de cana na safra 2019/20 entre 61 milhões e 63 milhões de toneladas, estável ante previsão anterior.

Os resultados da Comgás (SA:CGAS5), por sua vez, foram impulsionados pelo maior volume vendido no segmento residencial e pela correção da inflação nas margens. Já a Raízen Combustíveis, que também integra a joint venture com a Shell, foi impactada negativamente pela movimentação dos preços dos produtos ao longo do trimestre, o que afetou a gestão de estoques, algo que foi parcialmente compensado pelo crescimento nas vendas.

O BTG Pactual (SA:BPAC11) destaca que deve atualizar em breve as estimativas para a companhia com tom mais conservador em relação à Raízen Fuels. Já o desempenho superior da Comgás (SA:CGAS5) combinado com a visão construtiva sobre os preços de S&A e a visão do estreitamento da Cosan (SA:CSAN3) mantendo o desconto, ainda garante a recomendação de compra.

PUBLICIDADE