PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta terça-feira

26/11/2019 09h09

China vê boa perspectiva em relação às negociações comerciais com os EUA, enquanto Jerome Powell, presidente do Fed, vê o copo da economia como "meio cheio" (portanto, não há mais cortes de taxa no momento). Em outros lugares, o eBay mantém agitadas as atividades de fusões e aquisições e a ONU critica os países por não cumprirem suas promessas do Acordo de Paris.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na terça-feira, 25 de novembro.

1. Boas notícias vinda da China

O Ministério do Comércio da China manteve a perspectiva positiva sobre as negociações comerciais, emitindo uma declaração de que a China e os EUA "chegaram a um consenso sobre a resolução adequada de questões relevantes" em uma ligação telefônica com o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer e o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin. A China acrescentou que os dois lados concordaram em permanecer em contato nos pontos restantes para um acordo comercial da "primeira fase".

No entanto, a declaração não forneceu mais detalhes e os mercados reagiram de forma indiferente, já tendo se recuperado na segunda-feira na sequência de declarações ingênuas sobre o compromisso chinês de conter o roubo de propriedade intelectual.

2. Liquidez enche o copo de Powell

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, fez uma avaliação fortemente otimista da economia em um discurso na noite de segunda-feira em Providence, Rhode Island.

"Neste momento da longa expansão, vejo o copo mais cheio", disse Powell em comentários que praticamente descartou mais cortes nas taxas de juros num futuro próximo.

Ele ressaltou, no entanto, que o Fed continua orientado a dados, e que há muitos dados até terça-feira. A balança comercial de outubro será publicada às 10h30 (horário de Brasília), juntamente com os inventários do varejo, enquanto os dados de preços da habitação da S&P/Case-Shiller de setembro são esperados às 11h00, seguidos uma hora depois pelos novos dados de vendas de imóveis para outubro.

Também às 12 horas, o Conference Board publica sua pesquisa de confiança do consumidor em novembro, enquanto o Richmond Fed publica sua pesquisa mensal de negócios.

3. O agitado mundo das fusões e aquisições com o lance do eBay

O eBay concordou em vender o StubHub para a Viagogo, com sede na Suíça, por US$ 4,05 bilhões, um acordo que ajudará os investidores ativistas Elliott Management e Starboard Capital, que vêm pressionando-o para otimizar desde janeiro.

O acordo segue uma enxurrada de atividades na segunda-feira que viu a confirmação da oferta integral de ações de Charles Schwab pela TD Ameritrade, a LVMH pagando US$ 16 bilhões pela Tiffany e pela Novartis que compraram a Medicines Co. por US$ 9,7 bilhões.

Enquanto a Schwab está aproveitando o mercado de ações elevado para usar suas ações como moeda no acordo com a Ameritrade, a Novartis e a LVMH estão tomando empréstimos para levantar dinheiro para seus respectivos negócios.

4. Mercado de ações já está em ritmo de feriado

Os mercados de ações dos EUA já estão se preparando para o final de semana prolongado. Os três principais índices devem abrir efetivamente inalterados, ignorando os últimos comentários chineses sobre as negociações comerciais.

Às 8h00 (horário de Brasília), os contratos futuros da Dow caíam 2,5 pontos, menos de 0,1%, enquanto os contratos futuros do S&P 500 e do Nasdaq 100 também ficavam inalterados, mesmo com a confirmação da fusão da Charles Schwab (NYSE: SCHW) e da TD Ameritrade.

5. Inventários da API previsto; Relatório da ONU revela falta de cumprimento de Paris

Os negociantes de petróleo ainda não podem relaxar. O Instituto Americano de Petróleo (API, sigla em inglês) divulgará sua avaliação semanal dos estoques de petróleo às 18h30. As cotações de petróleo estão flutuando logo abaixo das máximas de dois meses em uma combinação de uma série de comentários otimistas sobre as negociações comerciais e sinais de desaceleração do crescimento da produção de óleo de xisto nos EUA.

Na terça-feira, um relatório anual da ONU sobre Mudanças Climáticas voltou a argumentar sobre a necessidade de ações mais dramáticas para reduzir o uso de combustíveis fósseis, destacando a diferença entre as promessas dos países que assinaram o Acordo de Paris e suas reais políticas.

"Se os governos não mudarem de política, veremos as emissões de CO2 dispararem", disse o diretor da Agência Internacional de Energia, Fatih Birol, em uma palestra.