PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Moedas - Dólar se mantém firme em meio a sinais positivos sobre comércio

26/11/2019 06h07

O dólar se manteve estável em relação ao iene nesta terça-feira, em meio a sinais encorajadores de que EUA e China em breve fecharão um acordo provisório para interromper sua guerra comercial.

O sentimento do mercado foi impulsionado por relatos de que o vice-primeiro-ministro da China e o principal negociador comercial Liu He manteve uma conversa telefônica com seus colegas dos EUA e que ambos os lados chegaram a um consenso sobre como avançar na disputa.

Isso ocorreu depois que o jornal Global Times, apoiado pelo governo chinês, publicou em seu feed do Twitter na segunda-feira, que os dois países estão muito próximos de um acordo comercial "da primeira fase", desconsiderando as reportagens "negativas" da mídia.

O dólar subiu inicialmente para a máxima de duas semanas de 109,19 em relação ao iene, antes de voltar a 108,9 às 6h04 da manhã, permanecendo inalterado durante o dia. Ficou em 98,2 contra uma cesta de moedas, logo abaixo do pico de uma semana.

"A tendência geral é que os mercados estejam esperando por um acordo porque o comércio tem sido o maior fator que pesa no crescimento global e diminui a confiança", disse Shane Oliver, chefe de estratégia de investimentos e economista-chefe da AMP Capital Investors em Sydney.

O euro estava pouco alterado contra o dólar americano em 1,1014, mantendo-se acima da mínima de uma semana de 1.1003 alcançada na segunda-feira.

A libra britânica caía, com uma queda de 0,2% em 1,2871, após uma pesquisa de opinião no Reino Unido mostrar que o Partido Trabalhista da oposição diminuiu a distância da liderança dos conservadores antes das eleições de 12 de dezembro, alimentando incertezas sobre o Brexit.

Os investidores esperavam dados comerciais dos EUA, números de preços da imóveis e dados de confiança do consumidor no final do dia de negociação, mas, no geral, as operações cambiais estão desacelerando antes do feriado do Dia de Ação de Graças nos EUA na quinta-feira.

--A Reuters contribuiu para esta matéria.