PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

StockBeat: Névoa de lavagem de dinheiro ainda paira sobre bancos nórdicos

27/11/2019 11h35

Por Geoffrey Smith

A crise de lavagem de dinheiro que afeta os bancos da Escandinávia não mostra sinais de alívio.

As ações do Skandinaviska Enskilda Banken (ST:SEBa), o mais recente banco nórdico a ser acusado de canalizar fundos ilícitos da antiga União Soviética, conseguiram uma recuperação fraca na quarta-feira depois que emitiram uma declaração que era apenas uma negação qualificada das denúncias. Ainda caiu 11% imediatamente antes da emissora sueca SVT fazer suas revelações.

"Na análise abrangente que fizemos de nossos negócios nos países bálticos, não vimos que o SEB tenha sido usado para lavagem de dinheiro de forma sistemática".

No entanto, o banco acrescentou que entre 2005 e 2018, sua filial na Estônia processou quase 26 bilhões de euros (US$ 28,7 bilhões) em pagamentos de não residentes que não atenderiam aos padrões atuais de transparência do banco. Isso foi cerca de um terço de todas as transações de não residentes tratadas pela filial naquele período.

Disse também que deixou de fazer negócios com 95% dos clientes indicados pela SVT.

Desde meados do ano passado, o Danske Bank (CSE:DANSKE) e o Swedbank (ST:SWEDa) caíram acentuadamente após revelações de que suas operações nos países bálticos foram usadas por entidades (principalmente russas) para lavagem de dinheiro. Nenhuma das ações resultou em uma recuperação significativa, embora a multa máxima esperada pela maioria dos analistas seja muito menor que a perda de valor de mercado desde as revelações.

Isso ocorre principalmente porque lidar com as autoridades tem sido um grande disperdício de tempo e energia de gerenciamento e porque os bancos tiveram que gastar muito no reforço de suas capacidades de conformidade - algo que tirou uma grande parte de seus lucros.

O Danske, que anunciou no início do ano que gastaria US$ 295 milhões na melhoria de seus sistemas de combate à lavagem de dinheiro, disse em outubro que congelaria quase todas as contratações, exceto em empregos regulatórios. Também emitiu um alerta de lucro no início deste mês, depois que sua relação custo-benefício, uma medida da lucratividade principal, subiu para 58,5%. A empresa disse que deseja recuperar essa proporção para menos de 50 até 2023, mas isso pode ser difícil, uma vez que perdeu os negócios de quase 20.000 clientes devido ao escândalo.

Por enquanto, o SEB parece ter evitado o pior. As ações mantiveram-se acima da baixa registrada no ano passado, quando a crise estourou inicialmente. No entanto, Danske e Swedbank - outro banco sueco que enfrenta acusações semelhantes - tiveram menos sorte. São duas das três ações bancárias europeias com pior desempenho este ano, um destaque em um campo lotado. Outro banco que enfrenta problemas de lavagem de dinheiro, o holandês ABN AMRO (AS:ABNd), é o quinto pior executor do setor no acumulado do ano.

Para investidores dispostos a enfrentar os riscos, há alguns sinais de que o mercado pode superar o fraco desempenho dos bancos em questão. O ING Groep (AS:INGA) se recuperou de forma inteligente este ano - 11% no acumulado do ano, devido a uma multa de lavagem de dinheiro de pouco menos de 1 bilhão de euros em 2018, a maior já aplicada pelos reguladores holandeses.

Além disso, alguns fundamentos importantes estão se movendo a favor dos bancos nórdicos, com o banco central da Suécia pronto para abandonar sua política de taxa de juros negativa no próximo mês, e a economia da zona do euro também aparentemente chegando ao fundo do poço.

Além disso, o Swedbank e Danske ainda estão - pelo menos por enquanto - negociando com rendimentos de dividendos acima de 10%, o que fornece alguma proteção contra futuros impactos regulatórios. Mas até que os reguladores digam sua palavra final, eles continuam sendo uma aposta de alto risco.