PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta sexta-feira

29/11/2019 09h37

As comemorações de Ações de Graças acabaram. Agora é hora de ir às compras. A Black Friday terá um foco particularmente rigoroso neste ano em lojas de departamento, varejistas e de vestuário.

Dados melhores do que o esperado da zona do euro reduzem a chance de intervenção do BCE no próximo mês, enquanto o mercado de ações de Hong Kong se esgotou muito antes do que se espera que seja outro final de semana tenso marcado por protestos.

Aqui está o que você precisa saber na sexta-feira, 29 de novembro.

1. Black Friday coloca lojas de departamento em teste

A Black Friday colocará mais pregos nos caixões das lojas de departamento dos EUA? Haverá mais escrutínio do que o habitual, como J.C. Penney e Kohl, após resultados decepcionantes nos três meses até setembro.

As lojas de roupas também estão sob pressão após um ano difícil - nada mais do que a Gap, que anunciou a renúncia de seu CEO Art Peck após um terceiro trimestre particularmente assustador.

A outra grande incógnita é se a Amazon.com (NASDAQ:AMZN) irá extrair novos negócios suficientes para justificar os enormes desembolsos que atingiram seu último relatório de ganhos. Os grandes varejistas Walmart e Target devem, por outro lado, esperar que os analistas saibam melhor que a maioria, aproveitando os benefícios de investimentos anteriores em sua oferta online.

2. Hong Kong liquida enquanto a Huawei vai à luta

As ações globais ficaram sob pressão da noite para o dia, pois a confiança em um acordo comercial iminente EUA-China fracassou após a decisão do presidente Donald Trump de assinar uma lei da Lei de Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong.

O Shanghai Composite caiu outros 0,6% e o índice Hang Seng de Hong Kong caiu 2% antes do que se espera ser mais um final de semana de agitação, após a relativa calma do fim de semana passado, quando a população de Hong Kong votou em massa a favor de candidatos que simpatizavam manifestantes da democracia.

Em outros lugares, o Wall Street Journal informou que a Huawei, empresa de telecomunicações no centro da disputa comercial EUA-China, lutará contra a decisão da semana passada da Comissão Federal de Comunicações dos EUA, que reduz ainda mais seus negócios com clientes dos EUA.

3. O IPC da Zona do Euro sobe; queda no desemprego na Alemanha

A inflação na Zona do Euro aumentou mais do que o esperado em novembro, segundo dados preliminares divulgados pelo Eurostat. Isso reduz a pressão da nova presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, para tomar outras medidas em sua primeira reunião do conselho de formulação de políticas em duas semanas.

A taxa anual principal subiu de 0,7% para 1,0%, enquanto o núcleo do IPC subiu para 1,3%, a maior em mais de seis anos. É provável que isso encoraje a oposição a qualquer nova flexibilização sob o novo regime.

Também houve melhores notícias no mercado de trabalho alemão, onde a contagem de desempregados surpreendentemente caiu 16.000 em novembro, em oposição ao aumento esperado de 6.000.

O euro ainda ficou estável em cerca de US$ 1,1000 em relação ao dólar.

4. Johnson promete não aumentar o imposto de renda e o IVA

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, prometeu não aumentar o imposto de renda ou o valor agregado se o seu partido vencer as eleições gerais do Reino Unido em 12 de dezembro. Ele também prometeu em um programa de rádio tirar o Reino Unido da UE na data prevista de 31 de janeiro se o seu Partido Conservador ganhar uma maioria de cadeiras.

Johnson também pediu a Donald Trump para ficar de fora da campanha eleitoral quando visitar o Reino Unido na semana anterior à eleição. Johnson tenta dissociar sua imagem a de Trump, pois sabe que pode perder votos com isso.

Mesmo assim, os conservadores parecem estar enfrentando uma tempestade de controvérsias em torno de promessas falsas sobre seus planos de gastos em saúde, ajudados pelo Partido Trabalhista da oposição que enfrentam acusações semelhantes de enganar os eleitores antes da votação.

5. Canadá enfrenta teste do PIB do terceiro trimestre

Sem dados dos EUA agendados para sexta-feira, é a vez do Canadá assumir o centro das atenções com os valores do produto interno bruto no terceiro trimestre, apresentado às 10h30. Os analistas esperam uma taxa de crescimento anualizada de 1,2%, após uma taxa anormalmente alta de 3,7% nos três meses até junho.

O dólar canadense enfraqueceu para 0,5% do que seria uma baixa de cinco meses em relação ao dólar americano, antecipando novas ações do Banco do Canadá para apoiar a economia.