PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

StockBeat: E.On recompensada por lidar com problemas da RWE

29/11/2019 11h18

A concessionária alemã E.ON (DE:EONGn) está cortando o mal pela raiz nos negócios de energia do Reino Unido que comprou da rival RWE (DE:RWEG_p) no ano passado, ao tentar transformar um negócio prejudicado por preços máximos tabelados e um enxame de concorrentes de baixo custo.

A E.On disse que seria necessário um prejuízo de 500 milhões de libras (US$ 642 milhões) na reestruturação do negócio da Npower, mas disse que esperava que a empresa gerasse pelo menos 100 milhões de libras por ano em ganhos antes dos juros e impostos a partir de 2022 em diante. A concessionária disse que estabilizou o número de clientes desde que passou para uma oferta de energia exclusivamente verde no início deste ano.

O mercado aprovou, elevando as ações em 1,6% em um dia em que praticamente todo o resto das negociações está caindo depois que a confiança em um iminente acordo comercial EUA-China foi atingida pela promulgação nos EUA de uma legislação que apóia manifestantes pró-democracia em Hong Kong.

As ações da E.On agora subiam mais de 12% em relação à sua baixa de 2019 há três meses, mas ainda estão essencialmente presas na mesma rotina em que estão desde o final de 2017. Isso é um reflexo do quão pouco a troca radical de ativos com a RWE realmente fez para desbloquear o valor do acionista e também uma ilustração dos efeitos colaterais da política alemã 'Energiewende', que elevou as contas dos consumidores enquanto fazia pouco ou nada para reduzir as emissões de dióxido de carbono das usinas a carvão.

Às 7h (horário de Brasília), o índice alemão DAX caía 0,2%, recuperando-se um pouco depois que os números do desemprego do país caíram surpreendentemente em novembro, aliviando as preocupações com a desaceleração que afetou tanto a indústria alemã este ano.

O índice de referência Stoxx 600 caía 0,1%, para 408,70, sob a influência de uma queda mais acentuada nos mercados asiáticos, especialmente em Hong Kong. Enquanto isso, o Reino Unido FTSE 100 também caía 0,1% depois de uma pesquisa que mostra a confiança do consumidor em seu nível mais baixo desde 2013 - algo que parece incomodar com as pesquisas que mostrando uma liderança do atual partido no poder na campanha da próxima eleição.

Outros dados mostraram que os empréstimos ao consumidor no Reino Unido aumentaram pela primeira vez desde junho do ano passado, embora um desenvolvimento mais preocupante seja ver investidores estrangeiros despejarem títulos do governo do Reino Unido na taxa mais rápida desde fevereiro no mês de outubro. Isso antes do que deveria ser a saída do Reino Unido da União Europeia no final do mês passado.

Em outros mercados, o principal destaque foi a Ocado (especialista em compras on-line no Reino Unido), que subiu cerca de 15% depois de anunciar uma parceria estratégica de longo prazo com a maior varejista de alimentos do Japão, a Aeon (LON:OCDO).

PUBLICIDADE