PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira

09/12/2019 09h42

Há um acordo comercial no ar (mas não com a China), o Congresso americano está se aproximando do envio de artigos de impeachment do presidente Donald Trump ao Senado, e a libra esterlina atinge uma máxima de sete meses em relação ao dólar quando aponta para uma vitória expressiva do primeiro-ministro Boris Johnson no Reino Unido.

Veja o que você precisa saber nos mercados financeiros na segunda-feira, 9 de dezembro.

1. Substituição do Nafta à vista

Os EUA estão fechando um acordo comercial com - ainda não é com a China - México e Canadá, de acordo com relatos da imprensa do fim de semana.

O Acordo EUA-México-Canadá, ou USMCA (na sigla que agrega as iniciais dos nomes em inglês dos países signatários), está mais próximo da conclusão agora que os democratas e o governo Trump abrandaram a maioria de suas diferenças remanescentes, de acordo com o The Wall Street Journal e outros veículos de comunicação.

Após um ano repleto de conflitos comerciais com a China, Europa e, mais recentemente, Brasil e Argentina, o progresso na USMCA seria bem-vindo. O novo acordo, que deve substituir o Nafta, de acordo com os relatórios, provavelmente incluirá um monitoramento mais rigoroso das normas trabalhistas no México.

2. Impeachment de Trump avança nos EUA

Nem tudo são boas notícias para o presidente Donald Trump. O Comitê Judiciário da Câmara deve decidir, a partir de hoje, como enquadrar artigos de impeachment, segundo o presidente Jerrold Nadler.

O Comitê ouvirá seus próprios advogados e de outros advogados independentes na segunda-feira sobre os fundamentos constitucionais do impeachment e as evidências reunidas contra Trump. Não está claro se os artigos de impeachment se concentrarão apenas nas alegações de abuso de poder no que diz respeito à retenção da ajuda militar aprovada pelo Congresso para a Ucrânia ou se basearão em uma lista mais ampla de acusações.

A probabilidade de Trump sofrer um impeachment ainda é baixa, já que seria necessário dois terços a favor de um Senado que ainda é controlado pelo Partido Republicano.

3. Ações em baixa antes das reuniões do banco central e impostos sobre produtos chineses

As bolsas de valores dos EUA devem começar a semana em clima moderado, com os três principais índices caindo menos de 0,1% a partir das 8h40 (horário de Brasília).

Durante a noite, as ações asiáticas e europeias também permaneceram em faixas relativamente moderadas.

As negociações devem permanecer ultra-sensíveis às manchetes relacionadas a guerra comercial, uma vez que faltam menos de uma semana para a entrada em vigor da última rodada de tarifas dos EUA sobre importações da China.

Para acalmar ainda mais a atividade, existe a perspectiva de reuniões de políticas no Federal Reserve e no Banco Central Europeu no meio da semana. Embora nenhum banco central deva tocar em suas taxas de juros oficiais, haverá o exame minucioso usual por Jerome Powell e Christine Lagarde - mais no caso de Lagarde, já que esta será sua primeira conferência de imprensa como presidente do BCE.

Hoje a varejista on-line de alimentos para animais de estimação Chewy deve ser informar seus lucros após o fechamento do pregão, juntamente com a Stitch Fix e a Versum Materials.

4. O petróleo se estabelece em uma faixa de preço mais alta após reunião da OPEP+

As cotações do petróleo aparentemente se estabeleceram em uma faixa mais alta após a reunião de sexta-feira do grupo OPEP+ ter produzido um corte na produção mais significativo do que o esperado - pelo menos nos próximos três meses.

Às 8h40 (horário de Brasília), os contratos futuros de petróleo caíam 1,0%, a US$ 58,63 por barril, enquanto o benchmark internacional Brent caía 0,9%, a US$ 63,87 por barril. Há uma semana, o WTI era negociado entre US$ 55 e US$ 56 e o Brent entre US$ 60-62.

A Arábia Saudita decidiu reduzir sua própria produção em mais do que o valor acordado, o que significa que a quantidade nacional de capacidade retida nos mercados mundiais aumentará para 2,1 milhões de barris por dia, dos 1,7 milhões atualmente. Analistas alertam que a extensão real da restrição pode não corresponder a isso, mas a Arábia Saudita continuará sob pressão no curto prazo para manter o mercado em ordem, uma vez que a alternativa poderia se tornar uma grande decepção para todos os investidores no IPO da Aramco na Arábia Saudita.

Na sexta-feira, dados da empresa de perfuração Baker Hughes mostraram que o número de plataformas de petróleo ativas nos EUA caiu para o menor nível desde março de 2017, um reflexo de que os produtores de xisto estão achando cada vez mais difícil sustentar a produção com apenas fluxo de caixa marginal a preços atuais.

5. Libra sobe e Johnson entra na reta final das eleições

A libra britânica atingiu seu nível mais alto em relação ao dólar em quase oito meses, enquanto o Partido Conservador apresentava uma grande vantagem nas pesquisas de opinião no início da semana final da campanha eleitoral geral do Reino Unido.

Enquanto as pesquisas do sistema eleitoral britânico significam que mesmo uma vantagem de 10 pontos pode não se traduzir automaticamente na maioria na Câmara dos Comuns, pesquisas recentes sugeriram que os Conservadores fizeram incursões significativas nas áreas tradicionalmente trabalhistas no norte da Inglaterra que votou esmagadoramente para deixar a União Europeia em 2016.

Um resultado ideal para o mercado de câmbio e as bolsas de valores locais seria uma grande maioria conservadora, não apenas porque garantiria que o Reino Unido deixasse a UE sem mais demoras, mas também porque isso permitiria a Johnson conduzir negociações futuras seguras sobre um acordo comercial da UE contra a pressão dos Brexitistas mais extremos de seu partido. Também provavelmente forçaria a repensar a plataforma política de extrema esquerda adotada pelo Partido Trabalhista sob Jeremy Corbyn.