PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Banco da Inglaterra mantém taxa de juros inalterada; libra em alta

19/12/2019 09h49

O Banco da Inglaterra anunciou nesta quinta-feira que manterá as taxas de juros em 0,75% após a conclusão da reunião final de política monetária do ano.

Em uma repetição da votação do mês passado, os formuladores de políticas dividiram-se por 7 a 2 a favor de nenhuma mudança, com Michael Saunders e Jonathan Haskel mais uma vez apoiando um corte nas taxas.

As autoridades também votaram por unanimidade a manutenção do esquema de compra de ativos, que atualmente detém 435 bilhões de libras em dívidas do governo e 10 bilhões de libras em títulos corporativos.

O banco declarou que espera ver apenas um crescimento econômico marginal no quarto trimestre, depois que o Produto Interno Bruto aumentou 0,3% nos três meses até setembro, mas acrescentou que a economia global está mostrando sinais de estabilização.

"O crescimento global mostrou sinais de estabilização e as condições financeiras globais permanecem favoráveis", afirmou o comunicado do banco. "A redução parcial da guerra comercial EUA-China fornece algum apoio adicional às perspectivas em relação ao relatório de novembro, embora as tensões comerciais continuem elevadas".

A decisão foi tomada após os resultados das eleições da semana passada no Reino Unido aumentarem as expectativas de um caminho mais brando para o Brexit até o primeiro-ministro Boris Johnson reviver os temores de um cenário de não acordo.

Johnson propôs planos para descartar qualquer extensão do período de transição além do final de 2020, o que significa que ele terá apenas 11 meses após o prazo do Brexit de 31 de janeiro para chegar a um acordo comercial ou correr o risco de sair da União Europeia sem acordos comerciais.

A libra esterlina subiu imediatamente após o anúncio para 1,3125, antes estava sendo negociada por 1,3081, após dois dias de pesadas perdas que eliminaram os ganhos do comício de alívio pós-eleitoral - o 'Boris Bounce'. A libra ainda caiu mais de 1,7% na semana e está no caminho de seu maior declínio semanal desde o final de julho.

Contra o euro, a libra estava sendo negociada a 0,8481, ante 0,8515, imediatamente antes do anúncio.

O FTSE 100 subia 0,13% no dia, enquanto o rendimento do título de 10 anos do Reino Unido ficava em 0,8%.

A incerteza sobre o potencial desastre econômico do Brexit impediu o BoE de seguir o exemplo do Federal Reserve e aumentar as taxas de juros em 2018.

Foi deixando em segundo plano uma mudança para taxas mais baixas à medida que outros bancos centrais, incluindo o Fed e o Banco Central Europeu, passaram a combater o impacto da linha comercial EUA-China em suas economias.

Olhando para o futuro em 2020, o BoE poderia cortar as taxas de juros, mantê-las em suspenso ou até mesmo retomar seu plano anterior de aumentá-las, dependendo de como o Brexit se sairá.

Os investidores também estão esperando para ver quem sucederá o governador do BoE, Mark Carney, que deve deixar o banco central em 31 de janeiro. Seu substituto deve ser anunciado em breve.

-- A Reuters contribuiu para esta notícia.