ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Vendas da Hisense TV lideram no mercado chinês por 14 anos consecutivos

Hisense

12/01/2018 13h23

PEQUIM, 12 de janeiro de 2018 /PRNewswire/ -- De acordo com os dados mais recentes da CMM, pelo décimo-quarto ano consecutivo a Hisense TV ficou em primeiro lugar na China, tanto em valor como em volume de vendas no varejo, no final de 2017. O volume de vendas no varejo da Hisense TV chegou a 16,79%. E o valor das vendas no varejo da Hisense TV alcançou 17,96% no mercado chinês, significativamente superando a segunda colocada em 26,5%.

No mercado internacional, a Hisense TV teve um desempenho ainda melhor. De acordo com os dados aduaneiros da China, no final de novembro de 2017 as exportações da Hisense TV chegaram a 30,8% ao ano – muito acima da média do setor. De janeiro a outubro de 2017, a participação unitária da Hisense TV foi de até 22,4% na África do Sul e chegou a 19,6% na Austrália, onde ficou em primeiro lugar.

No contexto de uma acirrada concorrência no mercado de TV, a Hisense se recusa a seguir a tendência de competir comprometendo a qualidade e o preço. Em vez disso, a empresa insiste em inovação tecnológica e padrões de alta qualidade. Através de esforços contínuos para produtos inovadores e diferenciados como a 4K laser TV, U9 ULED TV e o sistema de inteligência artificial VIDAA, a Hisense está cada vez mais ganhando participação de mercado. De acordo com o relatório da CMM, a TV 4K de 55 polegadas da Hisense ficou em primeiro lugar na lista das vendas anuais de TV da China. Além disso, a Hisense ganhou quatro lugares na lista das 20 principais e se tornou a estrela mais brilhante da lista de honra.

 

FONTE Hisense

PEQUIM, 12 de janeiro de 2018 /PRNewswire/ -- De acordo com os dados mais recentes da CMM, pelo décimo-quarto a","image":"","date":"12/01/2018 15h29","kicker":"PR Newswire"}}' cp-area='{"xs-sm":"49.88px","md-lg":"33.88px"}' config-name="economia/economia">

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia