Bolsas

Câmbio

Fábio Faria: governo deve reconhecer sal como de interesse social

Fábio Faria

Os dados abaixo são de responsabilidade das empresas envolvidas e não são produto jornalístico do UOL

BRASÍLIA, Brasil, 13 de abril de 2018 /PRNewswire/ -- O sal não tem só importância socioeconômica. Ele é mais do que isso: é vital para a existência da humanidade. Eleito pelo Rio Grande do Norte, maior polo nacional do produto, o deputado Fábio Faria (PSD) sabe o quanto as salineiras são essenciais para a população brasileira. Não por acaso, ele foi um dos parlamentares que mais se empenharam, na bancada federal potiguar, para que o governo federal declare o sal como um bem de interesse social e de utilidade pública. A conquista, uma reivindicação não só da indústria salineiras, mas também de toda a sociedade do estado, está próxima de se tornar realidade.

Segundo o parlamentar, antes de deixar o Ministério do Meio Ambiente, o agora ex-ministro Sarney Filho assegurou que a edição de decreto que reconhece o sal como um bem de interesse social e de utilidade pública estava resolvida e o pedido dos salineiros seria atendido. 

"Ele [o ex-ministro] garantiu que deixou equacionada esta questão que vai resolver o problema do sal do RN", diz Fábio Faria, conhecido por suas ações voltadas ao apoio à geração de emprego, renda e melhoria da qualidade de vida da população potiguar.

A atividade salineira do RN, destaca o deputado, representa quase 97% da produção de sal do Brasil e há anos corria risco de ser inviabilizada pela falta de lei federal que garanta a sua continuidade, o que dará segurança jurídica a todos os envolvidos na cadeia da extração de sal marinho.

"Estamos falando de um setor que gera 70 mil empregos no estado e que não podia mais viver com a insegurança jurídica. Esta é uma atividade secular e um dos principais setores da nossa economia", ressalta Fábio Faria.

O decreto, adianta o deputado, torna o sal um bem de interesse social e utilidade pública, permitindo, portanto, a produção nas áreas ocupadas há décadas pelas salinas. Na prática, assinala Fábio Faria, esse reconhecimento dado através de decreto presidencial representa um avanço para valorização da atividade, especialmente em relação à comercialização do produto.

Conforme o Sindicato das Indústrias de Extração do Sal do RN, a maior parte da produção de sal do estado é destinada ao mercado interno, principalmente à indústria alimentícia, pecuária e consumo humano. Ao contrário de outros produtos como grãos e carnes, somente de 15% a 20% do sal extraído em solo potiguar é vendido para o exterior.

Contato no Release: 

Standard Comunicação

Contato: (21) 9.7263.6617

FONTE Fábio Faria

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos