Bolsas

Câmbio

Apesar de proximidade do Natal, ocupação no comércio cai 0,6% em novembro

Da Redação
Em São Paulo

Apesar das tradicionais contratações temporárias no comércio para o período de festas de final de ano, a taxa de ocupação neste setor recuou 0,6% na passagem de outubro para novembro, segundo revelou nesta sexta-feira o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A falta de contratações pode ser explicada pelas intenções do consumidor de poupar o dinheiro ganho ao invés de gastá-los para a compra de presentes no Natal. De acordo com uma pesquisa da Fecomercio (Federação do Comércio do Estado de São Paulo), neste ano, mais paulistanos pretendem aplicar na poupança o dinheiro extra proveniente do 13º salário.

Entre os entrevistados, 38% disseram que usariam este dinheiro para guardar enquanto outros 38% afirmaram usar a parcela para quitar dívidas. Apenas 22% respondeu que usaria o 13º para realizar compras, enquanto outros 1% não tinha destino ainda definido para o dinheiro.

Desaceleração
No início deste mês, os analistas da Ágora observaram o desempenho das Lojas Americanas e B2W, indicando que o setor de consumo e varejo no Brasil já está começando a sentir os efeitos da desaceleração econômica mundial.

A loja virtual B2W, por exemplo, reconheceu que normalmente, a partir do dia 15 de novembro, observa uma intensificação no crescimento de suas vendas. Mas, o resultado não tem sido bom como o esperado e as vendas realizadas estão concentradas em produtos de valores mais baixos.

Segundo a Ágora, o comércio deverá vender bem menos mercadorias de maior valor neste ano, por causa da menor disposição dos consumidores em comprometer uma parcela maior de sua renda diante de um momento de crise financeiro global.

Lojista animado
Apesar de alguns dados nada favoráveis ao comércio, a Univinco (União dos Lojistas da 25 de Março e Adjacências) afirma que aposta em um aumento de 10% nas vendas deste ano, em relação ao Natal passado.

"A gente sente que as pessoas estão mais apreensivas. Porém, na prática, eles continuam comprando (...) Crescemos 10% no Dia das Crianças, no Dia das Mães, antes da crise, e vamos crescer 10% no Natal", diz um dos diretores da Univinco, Marcelo Moawad.

(Com informações do Infomoney)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos