Banco Central mantém juro a 8,75% ao ano, e país volta a ter maior taxa real do mundo

Da Redação, em São Paulo

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu nesta quarta-feira (17), por 5 votos a 3, manter a taxa básica de juros (a Selic) em 8,75% ao ano. É a quinta reunião seguida em que a taxa se mantém estável.

Em comunicado, o colegiado de diretores do BC justificou que a decisão foi tomada depois de avaliar todas as tendências de política macroeconômica e verificar que a inflação continua na trajetória da meta de 4,5%, podendo variar 2 pontos para mais ou para menos.

Foram 5 votos a favor da manutenção e 3 votos pela elevação da taxa em 0,5 ponto percentual. Na nota, o Copom diz que "irá monitorar atentamente a evolução do cenário macroeconômico até sua próxima reunião para, então, definir os próximos passos na sua estratégia de política monetária."


Com a decisão, de acordo com a UPTrend Consultoria Econômica, o Brasil voltou a ter a maior taxa real de juros do mundo, na projeção para os próximos 12 meses.

De acordo com a consultoria, a elevação de projeções de inflação em alguns países, aliada a diversas quedas de juros mundo afora, alterou novamente a dinâmica do ranking e assegurou ao Brasil o topo como o melhor pagador de juros no mundo.

TAXAS DE JUROS NOMINAIS NO MUNDO
Sem descontar a inflação

País Índice
1º. Venezuela 19,57%
2º. Argentina 9,54%
3º. Brasil 8,75%
4º. Rússia 8,7%
5º. África do Sul 7%
  • Fonte: UPTrend

Com a Selic mantida em 8,75% ao ano, o Brasil terá uma taxa de juros real projetada para os próximos 12 meses de 4% ao ano.

A taxa atingiu o valor nominal (sem descontar a inflação) de 8,75% primeiramente em julho de 2009 (veja gráfico abaixo). Depois foi mantida nos encontros de setembro, outubro, dezembro de 2009 e janeiro de 2010, e, por último, na reunião desta quarta-feira. O Copom se encontra a cada 45 dias. O atual encontro foi o segundo do ano, e o próximo deve ocorrer em 27 e 28 de abril.

Outra lista elaborada pela UPTrend, que também conta com 40 países, contém as nações com maiores taxas nominais de juros (veja quadro acima).

Os juros são usados como política monetária pelo governo para conter a inflação. Com juros altos, as prestações ficam mais caras e as pessoas compram menos, o que restringe o aumento dos preços.

Um aspecto positivo dos juros altos é que eles remuneram melhor as aplicações. Isso é bom para os investidores brasileiros e também para os estrangeiros, que procuram o país.

Por outro lado, os juros altos prejudicam as empresas, que ficam mais cuidadosas para tomar empréstimos e fazer expansões. Por causa disso, o emprego também não cresce tanto. É em razão desse efeito que os empresários reclamam contra os juros altos.

Quem decide os juros

O Copom foi instituído em junho de 1996 para estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a taxa de juros.

O colegiado é composto pelo presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e os diretores de Política Monetária, Política Econômica, Estudos Especiais, Assuntos Internacionais, Normas e Organização do Sistema Financeiro, Fiscalização, Liquidações e Desestatização, e Administração.

(Com informações de Reuters, Agência Brasil, BBC e Infomoney)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos