PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Bancos terão tempo para se adaptar à nova poupança, diz Mantega

Maurício Savarese

Do UOL, em Brasília

03/05/2012 20h32

Os bancos terão tempo para se adaptar às mudanças na poupança anunciadas nesta quinta-feira (3), disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

O governo mudou as regras por causa da queda de juros. O rendimento passa a ser de 70% da Selic (taxa básica de juros) sempre que a Selic ficar em 8,5% ou abaixo disso ao ano. A alteração vale só para novos depósitos em poupança ou novas cadernetas abertas.

Os bancos vão ter de separar o dinheiro que os poupadores têm na poupança até esta quinta dos depósitos que forem feitos a partir desta sexta. E a mudança só vale se a Selic for a 8,5% ao ano ou menos.

"É muito fácil a adaptação. É como se o cidadão desmembrasse a conta em duas. Uma vai ter a rentabilidade pautada de um jeito e a outra de outro jeito. O banco terá de prestar contas ao aplicador", disse o ministro.

Para Mantega, poupança continua a "melhor opção"

O ministro afirmou que, mesmo com a mudança, "a poupança continuará sendo a melhor opção de investimento para a maioria da população".

"Mesmo para os novos depósitos nós continuaremos oferecendo uma vantagem. A nova poupança será uma excelente aplicação. É preciso considerar ainda que a rentabilidade das demais aplicações está caindo e vai continuar caindo."

Mantega disse que, a medida que as taxas de juros vão sendo reduzidas, as taxas de juros para as aplicações vão caindo. "Com exceção da poupança, todas as aplicações pagam Imposto de Renda e taxa de administração."

Para o ministro, os fundos de investimento vão acabar sendo uma outra opção para aplicações, porque terão de atrair mais gente, reduzindo seus custos. "Os fundos vão ter de rever as taxas de administração." Essas taxas são cobradas dos investidores e "comem" um pedaço dos ganhos.

"Com esse movimento da redução da rentabilidade desses fundos e a concorrência da poupança, as financeiras vão reduzir os custos de administração", declarou.

Ele disse que, para definir o percentual de 70% da Selic, foi feito um levantamento dos últimos 10 anos sobre qual foi a maior remuneração paga na poupança em relação à Selic. "Estabelecemos isso como critério para fixar em 70% da Selic."

Mudança permite queda nos juros e "beneficia população", diz ministro

Mantega disse que a mudança na poupança era necessária para poder haver queda maior nos juros básicos (taxa Selic). "Para que possamos baixar o custo financeiro, os juros para o crédito, temos que destravar esse sistema, fazendo essa modificação de forma que ela não seja um limitador."

De acordo com o ministro, "haverá um benefício de toda a economia brasileira". "Essas mudanças são em benefício de toda a população. Toda a população se beneficia quando o custo financeiro diminui."

Mantega disse que o fato de haver eleições neste ano não pesou na decisão do governo. "Não nos pautamos pelo ano político. Eu não acredito em desgaste político. Fizemos reunião com os líderes da base aliada e não houve nenhuma voz destoante."

Juros