Bolsas

Câmbio

Empreendedorismo

Empresa de telecomunicações de Campinas cresce 2.646% e lidera ranking de PMEs

Larissa Coldibeli

Do UOL, em São Paulo

Uma empresa do ramo de telecomunicações de Campinas (a 93 km da capital paulista) foi a que mais cresceu no país entre os pequenos e médios negócios de 2009 a 2011. A receita líquida da Arcitech, que projeta e constrói redes de telecomunicações, cresceu 2.646% por ano e é a líder do ranking realizado pela consultoria Deloitte em parceria com a revista "Exame PME". 

Veja as 5 PMEs que mais cresceram em 2011

Empresa Setor de atuação Crescimento anual na receita líquida
1. Arcitech Telecomunicações 2.646%
2. Reuter Construção civil 996%
3. Valox Comércio varejista e atacadista 838%
4. Fernandes Engenharia Construção civil 435%
5. Grupo RR Prestação de serviços 255%
  • Fonte: Deloitte

O levantamento "As Pequenas e Médias Empresas que Mais Crescem no Brasil" elenca as 250 empresas com os índices mais elevados de crescimento ao longo dos últimos três anos. A lista completa foi divulgada pela consultoria nesta quinta-feira, 13, e consta na próxima edição da revista que chega às bancas hoje.

A segunda colocada no ranking foi a empresa Reuter, do setor de construção civil, que obteve um crescimento de 996% na receita liquida ao ano, seguida da Valox (838%), do ramo de comércio varejista e atacadista, Fernandes Engenharia (435%), construção civil, e do Grupo RR (255%), de prestação de serviço.

Para os lideres do ranking, a preocupacao com a qualidade dos produtos e dos servicos prestados foi o que garantiu o sucesso e deve ser a prioridade de todos os empreendedores.

Eliton Vialta, diretor-proprietario da Arcitech, diz que o maior desafio foi convencer grandes empresas que, apesar de pequenos, eles podiam realizar o serviço. "A grande empresa antes de te contratar quer saber seu número de funcionários e o tamanho da sua estrutura física. Nosso objetivo nao era ser a maior ou faturar mais e sim a excelência."

Edmilson Silva, diretor-geral da Reuter, segunda colocada, atribui seu sucesso ao investimento na capacitação de seus colaboradores. "Nosso setor sofre pressão por prazos de entrega das obras e dificuldade de mão de obra. Nossa preocupação é com a qualidade, então, treinamos e qualificamos profissionais."

Burocracia ainda é a principal vilã para as pequenas empresas

O estudo da Deloitte ainda mostra que a burocracia é a principal vilã para os pequenos empreendedores brasileiros. Para 44% deles, a complexidade do sistema tributário é o maior entrave à expansão do negócio.

Quando perguntadas sobre a regularização de sua situação fiscal, 69% afirmam que o maior obstáculo é a burocracia dos órgãos que arrecadam tributos — outras 51% afirmam que têm dificuldades de se manter atualizados com as mudanças na legislação tributária.

Em média, as 250 empresas ranqueadas mantêm quatro funcionários para atender as exigências da legislação tributária e gastam 37% com o pagamento de encargos trabalhistas. Entre as empresas que lidam com a exportação de mercadorias, são gastos em média 14 dias entre a preparação dos documentos até o embarque da mercadoria.

No total, 537 empresas se inscreveram no estudo, que analisou as demonstrações financeiras de 336 empresas cujas receitas líquidas variavam de R$ 5 milhões a R$ 250 milhões.

VÍDEO: Para consultor que virou empreendedor, burocracia é entrave

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos