IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Faculdade da cerveja tem aulas de degustação e alunos empresários

Matheus Lombardi

Do UOL, em São Paulo

27/09/2012 11h00Atualizada em 27/09/2012 13h04

Já pensou em fazer uma "faculdade" na qual o consumo de cerveja não é apenas permitido como obrigatório? Com a proposta de criar especialistas na bebida, o Instituto da Cerveja aposta no mercado premium que, segundo dados do setor, pode crescer 50% nos próximos quatro anos.

Com mais de 500 profissionais formados em cursos por todo o país, a "faculdade da cerveja" atende principalmente empresários que estão começando a investir nesse segmento.

"O mercado está muito aquecido. Os empresários estão vendo que precisam se qualificar para atender uma demanda crescente de consumidores exigentes. O Brasil é o país da cerveja. Prova disso é que nossos cursos até 2013 estão todos lotados", disse um dos sócios da empresa, Estácio Rodrigues.

Aulas

As aulas do Instituto da Cerveja misturam teoria e prática. Segundo Rodrigues, é virando os copos que os alunos realmente aprendem as características de cada tipo de cerveja.

Saber diferenciar os aromas, a temperatura correta para servir a bebida e o melhor copo, por exemplo, são algumas das tarefas dos alunos, em cursos que duram em torno de três meses.

  • As sócias do clube de cervejas Clubeer, Cristiana Bratt e Kathia Zanatta

Assinatura de cervejas

A procura por pessoas interessadas em investir no setor é grande, de acordo com Rodrigues. Um desses exemplos é o caso da empresária Cristiana Bratt, sócia do clube de cervejas por assinatura Clubeer.

Ela deixou um cargo numa grande indústria do setor para apostar no próprio negócio.

"Apesar de todos os estudos que fizemos e da nossa experiência com a indústria cervejeira, eu e minha sócia temos trabalhado com um crescimento maior do que o planejado. As pessoas queriam uma forma de terem acesso a rótulos antes não acessíveis, com dicas de harmonização, degustação, copos e curiosidades. Ainda existe muito espaço para crescimento, vagas para profissionais especializados", diz Bratt.

Com vendas pela internet, a empresa envia todos os meses para os "sócios" caixas com rótulos de diversos países.

Mais Economia