ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Mortalidade de empresas brasileiras é menor do que em países europeus

Afonso Ferreira

Do UOL, em São Paulo (SP)

10/07/2013 13h33

De cada cem empresas criadas no Brasil, 24 fecham as portas antes de completar dois anos de atividade. É o que mostra o censo de sobrevivência dos pequenos negócios, divulgado pelo Sebrae Nacional (Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa) nesta quarta-feira (10).

O índice de empresas brasileiras que não sobrevivem ao segundo ano no mercado é menor do que em países europeus como Espanha (31), Itália (32), Portugal (49) e Holanda (50).

“A sobrevivência de novos negócios no Brasil está num patamar compatível com o seu tamanho e com sua emergência no cenário internacional”, afirma o presidente do Sebrae Nacional, Luiz Barretto.

Economias maduras, como a dos Estados Unidos, Alemanha e França, por exemplo, não forneceram dados para o estudo internacional, feito pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Por isso, segundo Barretto, não é possível dizer em qual posição do ranking mundial o Brasil está.

“O importante é que nosso índice está em igualdade ao dos países desenvolvidos”, declara.

O setor com o melhor desempenho no Brasil é a indústria: 79,9% das novas fábricas ultrapassam os dois anos de atividade. Na sequência vem comércio (77,7%), construção civil (72,5%) e setor de serviços (72,2%).

De acordo com o presidente do Sebrae Nacional, a utilização do Supersimples –regime que reduz impostos e unifica os tributos em um só boleto– e o aumento no nível de escolaridade dos empresários brasileiros favorecem para que as empresas permaneçam mais tempo no mercado.

Além disso, a ascensão de renda da nova classe média fortaleceu o consumo interno, o que abriu novas oportunidades de negócios para as empresas, segundo Barretto.

“Diferentemente do passado, hoje nós temos empreendedores mais jovens, muitos com ensino superior, e que empreendem mais por oportunidade do que por necessidade”, diz.

Novo ministério facilita conversas com governo federal

Para o presidente do Sebrae Nacional, a criação da Secretaria da Micro e Pequena Empresa pelo governo federal –que tem status de ministério– foi um avanço na política de incentivo ao empreendedorismo no país.

“Com uma porta única de entrada para nossos pedidos, a comunicação com o governo federal tende a ficar mais estreita. Antes, precisávamos nos relacionar com vários ministérios”, afirma.

Apesar do cenário favorável, para Barreto ainda há pontos a serem melhorados na legislação. Atividades como a de médicos, advogados e jornalistas poderiam ser incluídas no regime do Supersimples para auxiliar a criação de negócios nestas áreas.

“Há muito a ser feito em relação à tributação no país. A pequena empresa não pode ter medo de crescer porque vai sair do Supersimples e cair em um regime tributário mais complicado”, declara.

O censo do Sebrae Nacional analisou dados do cadastro de empresas da Receita Federal, com base nos anos de 2007 a 2010.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia