IPCA
0.13 Mai.2019
Topo

Loja lança sorvete Telexfree, referência a suposto golpe financeiro

Ana Paula Batalha

Do UOL, em Rio Branco (AC)

2013-08-21T06:00:00

21/08/2013 06h00

O dono de uma sorveteria de Rio Branco (AC) aproveitou a polêmica em torno da suposta pirâmide financeira da Telexfree para lançar um novo sabor: o sorvete Telexfree.

A Telexfree, que vende planos de minutos de telefonia de voz sobre protocolo de internet (VoIP na sigla em inglês), foi proibida pela Justiça de operar em junho. A empresa é investigada por indícios de formação de pirâmide financeira, mas nega irregularidades.

O comerciante Luiz Cordeiro, 48, que também é um dos associados da Telexfree, é dono da sorveteria A Era do Gelo, na periferia de Rio Branco. Diz que criou o sabor Telexfree como forma de se expressar contra a Justiça.

"É para mostrar que é bom. Bom como a empresa Telexfree. O sorvete também não é pirâmide. Queria até convidar a juíza e os desembargadores para provar do sorvete Telexfree", diz Cordeiro, que defende a empresa e nega que haja pirâmide e prejuízo para seus participantes.

Cordeiro faz parte dos 70 mil clientes da empresa no Estado, segundo estimativa do Ministério Público do Acre, e ingressou na divulgação dos serviços em fevereiro.

Ele disse não ter tido prejuízo nenhum com a Telexfree e espera o retorno das atividades para receber seus R$ 18 mil de lucros que estão retidos.

"Quando bloquearam os serviços, ficou meio difícil para a gente. Para não perder o vínculo com a empresa, tive a ideia de criar o sorvete, que deu muito certo", diz.

Sorvete mistura chocolate branco, diamante negro e leite de coco

O sorvete Telexfree é uma mistura de chocolate branco, diamante negro e leite de coco. Ele pode ser consumido em taças no self-service (R$ 23 o quilo) ou na casquinha grande (R$ 2 a bola).

Segundo Cordeiro, as vendas na sorveteria aumentaram 30% com a novidade.

"É um sabor diferenciado. Muito bom. Achei uma maravilha essa mistura. Recomendo", diz o professor Ely Roberto, 50 anos, que saboreou o Telexfree, mas não diz não ter ingressado na empresa.

Com a grande procura, Cordeiro lançará na próxima semana o picolé Telexfree. O produto custará R$ 1, valor igual ao dos demais sabores.

Pirâmide financeira causa prejuízo quando não há novos integrantes

A movimentação de dinheiro da empresa Telexfree está proibida pela Justiça do Acre desde o final de junho. A Telexfree também continua impossibilitada de realizar novos cadastros de divulgadores, sob pena de multa diária de R$ 500 mil.

Atuando no Brasil desde março de 2012, a Telexfree vende planos de minutos de telefonia de voz sobre protocolo de internet. Porém, segundo a acusação da Justiça, isso seria apenas uma fachada.

A empresa é investigada por indícios de formação de pirâmide financeira, modalidade considerada ilegal porque só é vantajosa enquanto atrai novos investidores.

Assim que os aplicadores param de entrar, o esquema não tem como cobrir os retornos prometidos e entra em colapso. Nesse tipo de golpe, são comuns as promessas de retorno expressivo em pouco tempo.

Em notas, a empresa disse que está se defendendo de forma vigorosa das acusações e que tem apresentado sua defesa juntando aos processos todos os documentos necessários, de modo que comprove a regularidade e a viabilidade econômica de suas atividades.

Mais Economia