IPCA
-0.04 Set.2019
Topo

Abilio Diniz chega a acordo com Casino e deixa Pão de Açúcar

Jean-Charles Naouri (esquerda), presidente do Conselho do Casino, e Abilio Diniz (direita) - Divulgação
Jean-Charles Naouri (esquerda), presidente do Conselho do Casino, e Abilio Diniz (direita) Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

06/09/2013 17h18Atualizada em 06/09/2013 19h40

O empresário Abilio Diniz chegou a um acordo com o francês Casino e deixará o Grupo Pão de Açúcar (PCAR4).

Em nota conjunta, Abílio Diniz e Jean-Charles Naouri, presidente do Conselho do Grupo Casino, afirmam que "decidem terminar suas disputas e concluir sua parceria de maneira benéfica para ambos, de forma que cada um possa livremente seguir em frente e perseguir novas oportunidades".

O acerto envolve a troca das ações ordinárias (com voto) que Abilio tem na Wilkes, holding de controle do Pão de Açúcar, por papéis preferenciais --sem direito a voto-- detidos pelo Casino, na razão de 1 para 1, melhor para o empresário do que a proporção de 0,91 estabelecida no acordo de acionistas.

As duas partes também encerrarão todos os litígios que têm entre si.

A saída de Abilio da presidência do Conselho do Pão de Açúcar, fundado por seu pai em 1948, põe fim a uma conturbada relação do empresário com o Casino.

Em nota, o empresário afirma que "deseja muito sucesso ao Sr. [Jean-Charles] Naouri e ao Grupo Casino. Ele expressa seus desejos mais sinceros para que o Grupo Pão de Açúcar continue crescendo com suas pessoas, sua cultura e seus valores, contribuindo para o desenvolvimento do país".

Jean-Charles Naouri afirma no mesmo comunicado que "expressa sua gratidão pelas muitas contribuições do Sr. Diniz e de sua família, e deseja muito sucesso em seus projetos futuros".

Briga pelo controle do Pão de Açúcar

O Casino assumiu o Pão de Açúcar em agosto, numa troca que já era anunciada desde 2006, quando os franceses compraram o controle do grupo. O Casino investiu pela primeira vez na rede varejista em 1999, quando resgatou o grupo de dificuldades.

A disputa pelo controle da rede varejista ganhou os holofotes em 2011: Abilio Diniz tentou romper o acordo ao propor uma fusão da companhia brasileira com o arquirrival do Casino, o Carrefour. O Casino, como esperado, vetou o negócio, e a ofensiva da parte brasileira terminou em fracasso.

O plano de fusão previa a união dos dois maiores grupos de distribuição brasileiros --o Pão de Açúcar e o Carrefour Brasil-- para criar um gigante avaliado em US$ 41,899 bilhões.

Além de impedir a negociação, os franceses do Casino a qualificaram de "hostil e ilegal" e encarregaram seu presidente, Jean-Charles Naouri, de fazer valer essa posição "por todos os meios necessários".

Atualmente, o Brasil é o segundo maior mercado para o Casino no mundo depois da França e é um pilar importante na expansão do grupo francês em mercados emergentes em um momento de fraqueza na Europa.

(Com Reuters e Valor)

Mais Economia