IPCA
0.01 Jun.2019
Topo

Economia dos EUA recua 1% no 1º tri, primeira queda em 3 anos

Do UOL, em São Paulo

2014-05-29T09:40:59

29/05/2014 09h40

A economia norte-americana recuou mais do que era esperado no 1º trimestre, apresentando recuo de 1% no PIB (Produto Interno Bruto). Os dados foram divulgados pelo Departamento de Comércio nesta quinta-feira (29).

Economistas consultados pela agência de notícias Reuters esperavam PIB negativo em 0,5%. É a primeira queda no indicador desde o 1º trimestre de 2011, quando o PIB norte-americano tinha recuado 1,3%. No último trimestre do ano passado, o PIB norte-americano tinha avançado 2,6%.

O governo havia estimado anteriormente expansão do PIB a uma taxa de 0,1%. Não é incomum que o governo faça revisões drásticas nos números do PIB já que não tem em mãos dados completos quando faz as estimativas iniciais.

Economistas estimam que o clima severo do inver no hemisfério norte pode ter cortado até 1,5 ponto percentual do PIB. O governo, no entanto, não deu detalhes sobre o impacto do clima.

O volume de exportações do país caiu 6%, enquanto as importações subiram 0,7%. Além disso, o investimento imobiliário recuou 5%, e o investimento empresarial caiu 1,6%.

Indicadores

As empresas acumularam US$ 49,0 bilhões em estoques, bem menos do que os US$ 87,4 bilhões estimados no mês passado.

Foi o menor volume em um ano e os estoques subtraíram 1,62 ponto percentual do PIB do primeiro trimestre. Mas os estoques devem ajudar o crescimento do segundo trimestre.

Embora a queda nas exportações não tenha sido tão severa como se pensava inicialmente, o crescimento das importações foi mais forte. Isso resultou em um déficit comercial que tirou 0,95 ponto percentual do PIB.

Os gastos de consumidores, que respondem por mais de dois terços da atividade econômica dos Estados Unidos, cresceu a uma taxa de 3,1%. O número relatado anteriormente havia sido de um avanço de 3%.

O relatório mostrou ainda que os lucros corporativos pós-impostos caíram a uma taxa de 13,7 por cento, a maior queda desde o quarto trimestre de 2008.

(Com Reuters)

Mais Economia