IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

BC lança moedas comemorativas das Olimpíadas no Rio de Janeiro

Fabio Teixeira / Parceiro / Ag. O Globo
Imagem: Fabio Teixeira / Parceiro / Ag. O Globo

Do UOL, em São Paulo

28/11/2014 06h00

O Banco Central lançou nesta sexta-feira (28) o primeiro lote da coleção de moedas comemorativas dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

Outros três lançamentos serão realizados até 2016, totalizando 36 moedas: quatro de ouro, 16 de prata e 16 bimetálicas (moedas de R$ 1 de circulação comum).

Em cada lançamento, são emitidas quatro moedas de circulação comum, quatro de prata e uma de ouro.

Os projetos foram desenvolvidos pelas equipes do Banco Central e da Casa da Moeda do Brasil, com o suporte técnico do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

Moedas

A moeda de ouro homenageia o Cristo Redentor e a corrida de 100 metros rasos, um dos esportes que representa o lema Olímpico “Citius, Altius, Fortius” (mais rápido, mais alto, mais forte).

As moedas de prata homenageiam o Rio de Janeiro e são ilustradas com paisagens conhecidas pela prática de esportes como remo, corrida, ciclismo e vôlei de praia.

Os reversos das moedas trazem aspectos da cultura e da natureza da cidade e do Brasil. São quatro séries temáticas: fauna, flora, arquitetura e música.

Já as moedas de circulação comum homenageiam os Jogos Olímpicos e Paralímpicos. No primeiro lançamento, atletismo e natação representam dois dos esportes em que o Brasil conquistou mais medalhas em Jogos Olímpicos; Golfe e Paratriatlo, as duas modalidades que passarão a fazer parte dos Jogos de 2016. 

As moedas de R$ 1 entrarão em circulação pela rede bancária e uma parte será vendida em embalagens especiais para coleção.

Como comprar

Após o lançamento, as moedas poderão ser adquiridas no site do Banco do Brasil por meio de boleto bancário ou, no caso de correntistas do BB, débito em conta. 

As moedas também estarão à venda em algumas agências do Banco do Brasil. Quem comprar nas agências do BB, só poderá pagar em dinheiro.

Mais Economia